Revista médica e científica internacional dedicada a profissionais e estudantes de medicina veterinária.
Veterinary Focus

Número da edição 29.3 Doenças hepáticasa

Como abordar ... O gato com colangite

Publicado 10/11/2021

Escrito por Craig B. Webb

Disponível em Français , Deutsch , Italiano , Español , English e ภาษาไทย

Um gato ictérico não é um diagnóstico, mas sim o ponto de partida para o clínico investigar as possíveis causas subjacentes. O professor Craig Webb explica sua abordagem para tais casos. .

How I approach… The cat with cholangitis

Pontos-chave

Na verdade, os gatos não são levados à clínica veterinária por causa de colangite, mas simplesmente porque estão enfermos.


Os gatos doentes apresentam sinais inespecíficos que podem ser qualquer coisa.


Icterícia (pele e/ou mucosas amareladas) é um sinal clínico e não um diagnóstico.


A colangite felina foi a doença subjacente que motivou as pesquisas sobre a tríade felina.


Introdução – uma perspectiva histórica

Já em 1996, a médica-veterinária Dra. Sharon Center resumiu habilmente as peculiaridades do sistema hepatobiliar felino e destacou as diferenças de doenças entre cães e gatos, afirmando que “a colangite e a colangio-hepatite são mais comuns na espécie felina que na canina. A diferença na anatomia do ducto biliar/ducto pancreático é considerada há muito tempo um fator predisponente importante nessa distinção entre as espécies” 1. A Dra. Center coletou, analisou e citou estudos em gatos que remontam à década de 1980, descrevendo os quadros de colangite supurativa e colangite linfocítica crônica 2 3 Também se aprofundou o bastante para descobrir a descrição de 47 gatos ictéricos a partir de 1977 4. Na verdade, ela previu a tríade felina, salientando que “embora a avaliação de enteropatia inflamatória e pancreatite não tenha sido exaustiva (i. e., completa e abrangente) em todos os gatos relatados até o momento, elas parecem estar comumente associadas a condições [com colangite]”.

1996 também foi o ano em que foi publicado o primeiro estudo quantificando a associação em gatos entre hepatopatia inflamatória, enteropatia inflamatória, pancreatite e nefrite (a condição que saiu da equação para deixar o nome “tríade”)5. Isso marcou o início de um esforço sério e frutífero para compreender melhor a doença hepática em gatos ou (como então era referido) o complexo colangio-hepatite felina ou colangite/colangio-hepatite felina 6. As pesquisas clínicas tentaram caracterizar a hepatopatia inflamatória linfocítica felina por meio dos exames de ultrassonografia e imuno-histoquímica, bem como através da apresentação clínica 7 8 9. Foram descritas possíveis etiologias infecciosas, como Bartonella, Enterococcus e Helicobacter, e o primeiro relato de um microrganismo infeccioso que ascendeu a partir do trato gastrointestinal para causar colangite em um filhote felino apareceu na literatura especializada 10 11 12 13.

Uma década depois, o Grupo de Padronização do Fígado da WSAVA tentou categorizar as características de definição da doença biliar felina e organizar o vocabulário para a profissão veterinária14, e o restante desta discussão se concentrará no que aprendemos desde então. No entanto, é importante ter consciência de que, embora a compreensão dessa condição tenha sido auxiliada por novas tecnologias e métodos diagnósticos, a base foi lançada e o caminho aberto por aqueles apresentados no capítulo citado 1, incluindo a própria Dra. Center.

A abordagem

Começamos com um gato doente. Os gatos enfermos são levados às clínicas veterinárias por queixas diversas como vômitos, diarreia ou diminuição (ou, talvez, ausência) do apetite, perda de peso, aproximação ou afastamento do pet em relação aos tutores (i. e, um gato “pegajoso” ou com hábito de se esconder), menor nível de atividade, vocalização e aparente dor, salivação excessiva ou apenas más condições corporais. As razões para a profundidade e variedade das apresentações clínicas compatíveis com a colangite felina são: i) trata-se de um gato e ii) os gatos frequentemente trazem mais de um problema ao médico-veterinário. Embora a tríade felina seja um exemplo de nome para esse fenômeno, há uma dezena de condições que podem ser facilmente associadas à colangite. Tais condições abrangem enteropatia inflamatória, pancreatite, infecção(ões) bacteriana(s) crônica(s), incluindo pielonefrite, infestação por trematódeos, toxoplasmose, septicemia, colelitíase, obstrução biliar extra-hepática e neoplasia 1. Apesar de haver um longo caminho a percorrer antes do estabelecimento do diagnóstico, as informações potencialmente úteis que podem ser obtidas a princípio, com o histórico e o exame físico, compreendem:

  • Sexo e idade
  • O gato vive na América do Norte, Europa ou em outra parte do mundo?
  • O gato mora em uma área endêmica para trematódeos hepáticos? (uma causa de colangite felina não abordada aqui)
  • Há quanto tempo o gato está doente (alguns dias, algumas semanas)?
  • O gato perdeu peso?
  • O gato está com vômitos, diarreia, náusea, letargia ou anorexia?
  • Os sinais clínicos são compatíveis, persistentes, progressivos ou intermitentes?
  • O gato está febril ou desidratado?
  • A palpação abdominal revela a presença de desconforto (se sim, onde?), organomegalia (se sim, qual?) ou líquido livre?

Algumas precauções

  1. Se, ao observar os olhos (ou mais especificamente, a esclera) do gato na mesa de exame, o clínico notar que o paciente está amarelado (ictérico), ele não deve pular de alegria presumindo que chegou a um diagnóstico simplesmente ao entrar na sala de exames e olhar para o paciente em questão, porque não se deve tirar conclusões precipitadas de que esse gato sofre de doença no fígado. Se o gato estiver com icterícia, é provável que a bilirrubina total esteja ≥ 2,5-3,0 mg/dL e, se o clínico tivesse que fazer uma aposta, ele de fato apostaria na hepatopatia primária. Contudo, seria muito mais prudente descartar em primeiro lugar as causas de hemólise pré-hepática (Tabela 1).
  2. Se, ao observar os olhos do gato na mesa de exame, o clínico notar que o paciente não está amarelado (ictérico), ele não deve anunciar ao tutor que a bilirrubina total de seu gato estará normal e a doença no fígado está “fora de cogitação”, porque os gatos podem ter uma bilirrubina total acima do normal sem estar alta o suficiente para deixá-los ictéricos. Os gatos com bilirrubina total ≤ 2,5-3,0 mg/dL, mas acima da faixa de referência normal, são hiperbilirrubinêmicos. Se o clínico tivesse que fazer uma aposta, ele na verdade apostaria em algo diferente de hemólise pré-hepática ou hepatopatia primária (p. ex., doença hepática reativa), mas novamente seria muito mais prudente trabalhar com os diagnósticos diferenciais para outras doenças que possam afetar o fígado como danos colaterais, o que inclui quase tudo.
  3. Embora as causas pós-hepáticas de hiperbilirrubinemia (obstrução biliar extra-hepática) sejam raras em gatos, elas ocorrem e precisam ser levadas em consideração (Tabela 2).

Tabela 1. Causas publicadas e presumidas de anemia hemolítica imunomediada em gatos.
Anemia hemolítica imunomediada primária
Infecciosa
  • Mycoplasma haemofelis, M. haemominutum, M. turicensis
  • FeLV/FIV/PIF
  • Babesia felis
  • Cytauxzoon felis
  • Dirofilaria spp.
Neoplásica
  • Linfossarcoma ou leucemia
  • Doença mieloproliferativa
Inflamatória
  • Abscedação
  • Colangite
  • Piotórax
  • Pancreatite
Outras
  • Reação vacinal (vacina polivalente de vírus vivo modificado)
  • Reação transfusional
  • Isoeritrólise neonatal
  • Metimazol
  • Fragilidade osmótica aumentada (gatos)
  • Deficiência de piruvato quinase
  • Hipofosfatemia
  • Anemia por corpúsculo de Heinz (i. e.., cebolas, propilenoglicol)

 

Tabela 2. Causas publicadas e presumidas de obstrução biliar extra-hepática em gatos.
Anatômicas
Intraluminais
  • Colélitos/coledocolitíase
  • Bile espessa (lama biliar)
  • Corpo estranho biliar (p. ex., farpas de gramínea)
  • Mucocele biliar
  • Avulsão do ducto biliar comum (traumatismo)
  • Parasitas (helmintos)
Extraluminais
  • Pancreatite
  • Neoplasia (p. ex., carcinoma, adenocarcinoma)
  • Hérnia diafragmática
  • Congênitas
Funcionais/inflamatórias
Pancreatite/abscesso pancreático
Colangite
Colecistite
Duodenite
Dismotilidade da vesícula biliar

 

O fígado como o culpado no gato

Tendo considerado e descartado da devida forma as causas pré e pós-hepáticas de hiperbilirrubinemia no gato ictérico ou tendo estabelecido o fígado como a etiologia mais provável para o gato doente, passamos a concentrar nossos esforços diagnósticos nesse órgão.

A terminologia

A cat with hepatic lipidosis shaved for an ultrasound scan of the liver; note the easily bruised, icteric abdomen.
Figura 1. Um gato com lipidose hepática submetido à tricotomia para exame ultrassonográfico do fígado; observe o abdome ictérico com propensão ao aparecimento de hematomas. © Craig B. Webb

Embora a lipidose hepática seja uma das condições mais prevalentes diagnosticadas em gatos ictéricos (Figura 1), isso foge do escopo deste artigo, assim como as hepatopatias reativas, as doenças neoplásicas e os distúrbios vasculares. A colangite crônica associada a trematódeos hepáticos ( Platynosomum concinnum, também conhecido como P. fastosum ) 15 é uma doença hepática inflamatória que também não será abordada. O presente artigo se concentrará nas duas hepatopatias inflamatórias mais comuns, segundo a classificação da WSAVA 16, a saber: colangite neutrofílica (aguda ou crônica) e colangite linfocítica, utilizando relatos de casos para identificar as principais características dessas condições e enfatizar a necessidade de uma abordagem metódica para o diagnóstico.

A yellowish tinge to a cat’s pinna may be the first sign of jaundice, but the yellow coloration does not automatically indicate liver disease.
Figura 2. Uma coloração amarelada no pavilhão auricular do gato pode ser o primeiro sinal de icterícia, mas essa coloração não indica automaticamente a presença de hepatopatia. © Craig B. Webb

Apresentação de caso número 1

O paciente é um gato macho castrado da raça Bosques da Noruega de 11 anos de idade, com histórico de 3 meses de vômitos e diarreia progressivos. O gato apresenta uma leve redução do apetite e perdeu um pouco de peso. O tutor nota uma coloração amarelada no pavilhão auricular do gato (Figura 2), mas, fora isso, o animal parece esperto e interativo. O exame físico confirma a presença de icterícia e hepatomegalia, mas de resto não há mais nada digno de nota.

Principais características

Em primeiro lugar, o paciente é um gato ictérico da raça Bosques da Noruega, atendido em uma clínica na Europa; isso já deve ser uma pista! Uma pesquisa recente constatou que as doenças hepáticas mais frequentes em gatos do Reino Unido, com base no exame histopatológico, incluíam colangite neutrofílica (20,5% dos casos) e colangite linfocítica (6,8%) 17. Em outro estudo recente da Holanda, 2 de 14 casos de colangite linfocítica utilizados para investigar marcadores imuno-histoquímicos eram de gatos da raça Bosques da Noruega 18, e a maioria dos estudos clínicos sobre a colangite linfocítica vem da Europa 8 19.Dito isso, identificou-se que 3 de 44 gatos submetidos à necropsia no Hospital Veterinário da Universidade da Pensilvânia tinham colangite linfocítica 20.

Este paciente em particular é um gato mais idoso e, embora haja generalizações sobre a idade de apresentação, está claro que todas as formas de hepatopatia inflamatória felina podem afetar uma ampla gama de faixas etárias. Vale ressaltar que se trata de um caso crônico e progressivo, embora o gato ainda não esteja letárgico, anoréxico ou febril. Tal apresentação deve aumentar o índice de suspeita de colangite linfocítica. A cronicidade e a evolução da doença certamente não são patognomônicas, e os gatos com colangite linfocítica podem se apresentar muito doentes, com ascite e em más condições corporais; no entanto, seria incomum para um gato com colangite neutrofílica aguda lidar com tal doença tão bem quanto este gato está na apresentação.

Diagnóstico

Ao dar prosseguimento à avaliação diagnóstica, é improvável que o hemograma completo esteja acentuadamente anormal, embora alguns gatos apresentem linfocitose significativa e anemia branda (leve) em casos de doença crônica. A elevação das enzimas hepáticas e da bilirrubina total será de leve a moderada. Assim que a bilirrubina estiver alta o suficiente para deixar o gato ictérico, o teste de ácidos biliares será redundante, ou seja, estará anormal. Os resultados dos testes para detecção de FeLV/FIV serão negativos, enquanto os tempos de coagulação podem estar um pouco prolongados; entretanto, a alteração bioquímica mais notável provavelmente será uma hiperglobulinemia (com as gamaglobulinas como o pico predominante caso se realize a eletroforese de proteínas). Se presente, o líquido abdominal livre teria um alto conteúdo proteico (novamente, níveis elevados de globulina), além de conter uma variedade de células inflamatórias.

Neste caso, a ultrassonografia abdominal seria uma recomendação diagnóstica razoável, não necessariamente pelo que ela irá revelar (alterações hepáticas inespecíficas e linfadenopatia), mas pelo que não irá mostrar. O mais provável é que a vesícula biliar e a árvore biliar desse gato apareçam normais.

Conforme discutiremos no próximo caso, embora o aspirado do fígado por agulha fina seja um procedimento de baixo risco, os tutores devem ser advertidos de que também se trata de um método diagnóstico de baixo rendimento que frequentemente produz resultados frustrantes e não frutíferos. Se o conteúdo da vesícula biliar e, particularmente, a parede dessa vesícula estiverem normais, os estudos sugerem que a aspiração do conteúdo da vesícula também seria de baixo rendimento (ver o próximo caso).

Craig B. Webb 

Embora as causas pós-hepáticas de hiperbilirrubinemia (obstrução biliar extra-hepática) sejam raras em gatos, elas ocorrem e precisam ser consideradas sempre que o clínico se deparar com um gato ictérico.

Craig B. Webb 

O argumento mais convincente para a aquisição de uma biopsia do fígado é, obviamente, o fato de que esse procedimento corresponde à melhor forma de obter o diagnóstico definitivo. Nesse caso, a exclusão que aparece em primeiro lugar na lista de diagnósticos diferenciais seria o linfoma, mas a peritonite infecciosa felina (PIF) talvez entre em discussão em gato de idade compatível (ascite com alto conteúdo proteico e hiperglobulinemia). Em qualquer um dos casos, o exame histopatológico do fígado diferenciaria entre essas possibilidades. O outro argumento convincente para a coleta de biopsia hepática seria a possibilidade de obter amostras do pâncreas e do trato intestinal também. A identificação e o tratamento de doenças concomitantes são absolutamente cruciais para o sucesso terapêutico de um gato com qualquer forma de colangite.

Histopathology of a cat’s liver with lymphocytic cholangitis. Note the marked infiltration of small lymphocytes in the portal area and concurrent biliary proliferation.
Figura 3. Exame histopatológico do fígado de gato com colangite linfocítica. Observe o infiltrado acentuado de pequenos linfócitos na área portal e proliferação biliar concomitante. © Isabelle Cattin

Tratamento

Tendo chegado a um diagnóstico definitivo (exame histopatológico [Figura 3]) ou presuntivo (apresentação do caso) de colangite linfocítica, os objetivos do tratamento incluem o suporte inespecífico e a etiologia imunomediada. A terapia inespecífica envolverá a administração não só de vitamina K1 (5 mg/gato SC a cada 24 horas) em várias doses para dar suporte às vias de coagulação do gato antes da realização do aspirado do fígado por agulha fina ou da colocação de tubo (sonda) de alimentação esofágico, mas também do ácido ursodesoxicólico (10-15 mg/kg VO a cada 24 horas por 2-3 meses). Tradicionalmente, esse fármaco é utilizado para ajudar a promover a circulação da bile pelo sistema biliar e pode ter uma série de propriedades benéficas adicionais para o fígado que dela necessita 21.

Os antibióticos não devem ser necessários se a doença consistir em um infiltrado de linfócitos induzido pelo sistema imunológico. Ainda que a causa inicial desencadeante tenha sido uma infecção bacteriana, a infecção era um evento do histórico no momento da apresentação desse caso. Apesar disso, alguns clínicos recomendam um curso de antibióticos de 2-4 semanas que cubra as bactérias entéricas e/ou anaeróbias no início do tratamento (ver Caso 2 ); além disso, as bactérias podem estar presentes, não como causa, mas como consequência da doença imunomediada19.

Placement of an esophageal feeding tube is recommended as an early and effective intervention in any cat that has stopped eating.
Figura 4. A colocação de um tubo de alimentação esofágico é recomendada como uma intervenção precoce e eficaz em qualquer gato que tenha parado de se alimentar. © Craig B. Webb

A colocação de tubo de alimentação esofágico é recomendada como uma intervenção precoce e eficaz em qualquer gato que tenha deixado de comer ( Figura 4 ). Também representa uma excelente forma de ajudar o tutor a medicar e cuidar de seu gato no conforto de seu próprio lar. Na CSU, utilizamos o tubo de esofagostomia e trocater de 14 French da MILA International, Inc.1

1www.milainternational.com; www.youtube.com/watch?v=qF14Jfajkhw&t=89s

O tratamento específico de colangite linfocítica envolve o uso de glicocorticoides, sendo a prednisolona o fármaco de escolha. Alguns clínicos começam a terapia com uma dose de até 4 mg/kg/dia e muitos iniciam com uma dose próxima a 2 mg/kg/dia, mas todos reduzirão a dosagem de maneira gradativa ao longo de um período de 3 meses.

Os sinais clínicos e a cor das mucosas, bem como as alterações nas enzimas hepáticas e na bilirrubina total, são, sem exceção, marcadores razoáveis a serem acompanhados para documentar a resposta à terapia.

The cat presented as dehydrated and miserable with obvious icterus.
Figura 5. Gato com icterícia evidente, desidratação e em más condições físicas. © Craig B. Webb

Apresentação de caso número 2

Esse paciente é um gato macho castrado Doméstico de pelo longo de 6 anos de idade, atendido nos Estados Unidos. O gato apresenta um histórico de vômitos, anorexia e letargia há 4 dias. O exame físico revela um gato ictérico, febril e desidratado ( Figura 5 ) que demonstra desconforto à palpação abdominal e pode estar com náuseas e salivação. O perfil bioquímico exibe hiperbilirrubinemia, hiperglobulinemia, aumento moderado a significativo na atividade da ALT com elevação variável da fosfatase alcalina, além de alterações inespecíficas associadas à desidratação (azotemia), ao estresse ou à pancreatite aguda (hiperglicemia) e distúrbios eletrolíticos. Além de uma anemia branda (leve), o hemograma completo também mostra algumas alterações significativas não encontradas no Caso 1, a saber: linfopenia, leucocitose e neutrofilia com desvio à esquerda.

Principais características

Ao contrário do caso anterior em um gato da raça Bosques da Noruega, não temos raças exóticas geograficamente específicas nos Estados Unidos e, quanto à idade, esse paciente simplesmente é um gato adulto, embora mais jovem que o gato do Caso 1 (fora dos Estados Unidos, podemos apresentar raças como Burmês, Persa, Siamês ou Britânico de pelo curto). Os sinais clínicos são muito semelhantes aos do Caso 1, mas as maiores diferenças estão na apresentação breve e relativamente mais grave deste paciente. A diferença em termos de gravidade é evidenciada pela presença de febre e leucograma inflamatório, além de maior número de alterações no perfil bioquímico. Tal apresentação deve aumentar o índice de suspeita de colangite neutrofílica. O desconforto à palpação abdominal pode ser o resultado de um fígado agudamente inflamado, infeccionado e aumentado de volume ou atribuído à presença de pancreatite – novamente, é preciso destacar a semelhança e a importância de condições concomitantes (incluindo pancreatite, enteropatia inflamatória, obstrução biliar extra-hepática, colecistite ou colelitíase, etc.). É provável que esse gato tenha algum grau de coagulopatia que exija a administração de vitamina K1, e, mais uma vez, no momento em que a hiperbilirrubinemia estiver deixando o gato ictérico, o teste de ácidos biliares estará anormal e será redundante. É sensato avaliar uma amostra de soro em jejum quanto aos níveis de imunorreatividade da lipase pancreática felina e da cobalamina.

Craig B. Webb

Os gatos raramente têm um método para sua loucura, mas ter um método ajudará a evitar que você enlouqueça.

Craig B. Webb

Diagnóstico

A ultrassonografia abdominal agora será crítica para o que detectamos e o que coletamos (Figura 6). A obtenção de imagens da espessura/arquitetura do pâncreas e da parede intestinal ajudará na busca da tríade felina; as alterações no parênquima hepático ainda serão inespecíficas, mas a vesícula biliar provavelmente servirá como o local e a origem do diagnóstico. É possível que um gato com colangite neutrofílica apresente uma imagem normal do sistema biliar, mas em muitos casos a parede da vesícula biliar estará espessa e irregular, até mesmo em paliçada (Figura 7) 22. Lodo (Figura 8) ou colélitos podem estar presentes; por isso, é importante acompanhar o trajeto do trato biliar até o duodeno para descartar obstrução biliar extra-hepática. O ducto biliar comum está obstruído em muitos desses gatos. Também pode haver a presença de ascite e, nesse caso, é justificável a aspiração com análise do líquido.

Imaging the pancreas and intestinal wall thickness/architecture will help in the pursuit of feline triaditis.
Figura 6. A obtenção de imagens da espessura/arquitetura do pâncreas e da parede intestinal ajudará na busca da tríade felina. © Shutterstock
Transverse ultrasound image of a feline gallbladder demonstrating thickened wall with a palisading appearance, consistent with cholangitis.
Figura 7. Imagem ultrassonográfica transversal da vesícula biliar felina, demonstrando a espessura da parede com aspecto em paliçada, compatível com o quadro de colangite. © Dr. Linda Lang, Colorado State University.
As with dogs, cats will also present with “sludge” in their gallbladder. This is not necessarily a sign of disease. The architecture and width of the gallbladder wall appears to be a more sensitive indicator of cholangitis.
Figura 8. Tal como acontece com os cães, os gatos também exibem a presença de “lodo” na vesícula biliar. Isso não é necessariamente um sinal de doença. A arquitetura e a largura da parede da vesícula biliar parecem ser um indicador mais sensível de colangite. © Dr. Linda Lang, Colorado State University.

A aspiração da vesícula biliar (colecistocentese percutânea guiada por ultrassom) para os exames de citologia e cultura constitui o método que mais provavelmente permitirá a obtenção do diagnóstico, direcionando o tratamento (Figura 9) 23. É mais provável que esse procedimento gere resultados anormais na citologia e resultados positivos na cultura bacteriana se a vesícula biliar estiver com uma aparência anormal nas técnicas de diagnóstico por imagem, p. ex., se a espessura da parede for > 1 mm, se houver uma espessura irregular ou em paliçada dessa parede ou se existir um conteúdo hiperecoico significativo (“lodo”) (Figura 10) 22 24.Vale ressaltar que a ruptura da parede da vesícula biliar e/ou o extravasamento do conteúdo com consequente peritonite biliar é um risco em potencial com a aspiração; no entanto, há pouquíssimas complicações quando essa técnica é realizada por um ultrassonografista experiente em um paciente que está sedado e/ou que colabora com o exame. Contudo, se a parede da vesícula biliar aparecer enfisematosa, os riscos serão substanciais; nesse caso, deve-se considerar a remoção cirúrgica da vesícula ou a instituição de ensaio terapêutico.

 A feline gallbladder scan showing the aspiration needle as a linear hyerechoic structure in the process of aspirating bile with sludge (swirling hyperechoic material).
Figura 9. Varredura da vesícula biliar felina, mostrando a agulha de aspiração como uma estrutura hiperecoica linear no processo de aspirar a bile com lodo (material hiperecoico em redemoinho). © Dr. Linda Lang, Colorado State University.
A longitudinal sonographic image of a feline gallbladder where “calipers” are measuring wall thickness at 1.9 mm. This image also demonstrates the “palisading” like material “growing” off the inner wall into the lumen of the gallbladder.
Figura 10. Imagem ultrassonográfica longitudinal da vesícula biliar felina, com os “calibradores” medindo a espessura da parede em 1,9 mm. Essa imagem também mostra o material em forma de “paliçada”, “crescendo” desde a parede interna até o lúmen da vesícula biliar. © Dr. Linda Lang, Colorado State University.

A bile aspirada pode aparecer normal ao exame macroscópico ou na forma de exsudato purulento. Na citologia, é provável um predomínio de neutrófilos em vários estados (i. e., normais a degenerados), com ou sem evidências de bactérias intracelulares 25. Não é de se surpreender que o microrganismo recuperado com maior frequência na cultura seja a E. coli, seguida por uma lista extensa de microrganismos entéricos e anaeróbios, como espécies de Enterococcus, Streptococcus, Klebsiella, Actinomyces, Clostridium, Bacteroides, Pseudomonas, Staphylococcus e Pasteurella, além de Salmonella enterica sorotipo Typhimurium.

Mais uma vez, o aspirado do fígado por agulha fina é uma técnica minimamente invasiva, mas muitas vezes de baixo rendimento nesses pacientes. Na CSU, é raro solicitarmos uma amostra de biopsia para exame histopatológico do fígado, mas em muitos desses gatos realizamos uma laparoscopia abdominal, coletamos amostras de biopsia do fígado e pâncreas e ainda aspiramos a vesícula biliar com visualização direta durante esse procedimento. Embora a histopatologia ajude a obter o diagnóstico definitivo e a identificar as doenças concomitantes, é mais provável que a colecistocentese seja produtiva em termos diagnósticos e relevante em termos terapêuticos.

Tratamento

Esses gatos muitas vezes estão doentes o bastante para se beneficiar da internação, dos cuidados de suporte (fluidos, controle da dor, nutrição, etc.) e de medicamentos IV (antibióticos, antieméticos, etc.).

O ideal é que os resultados da cultura bacteriana e do antibiograma (também conhecido como teste de sensibilidade) obtidos a partir da colecistocentese orientem a escolha do antibiótico, mas a seleção inicial pode ser auxiliada através da citologia pela coloração de Gram enquanto se aguardam os resultados da cultura. Se a seleção tiver de ser feita sem o benefício de qualquer um desses métodos diagnósticos, a escolha do(s) antibiótico(s) deverá ser direcionada à E. coli com um espectro amplo o suficiente para cobrir os microrganismos entéricos comuns, incluindo anaeróbios (p. ex., amoxicilina/ácido clavulânico [Clavimox®], metronidazol, pradofloxacino, etc.). As recomendações quanto à duração do tratamento variam de 4-6 semanas a 3-6 meses, acompanhando os sinais clínicos e as elevações das enzimas hepáticas para obter informações sobre a eficácia.

Além da colangite neutrofílica crônica, uma das possíveis consequências da colangite neutrofílica aguda pode muito bem ser a colangite linfocítica, com uma infecção que atua não só como a etiologia inicial, mas também como um estímulo incitante para uma resposta imunomediada persistente. Portanto, esses casos podem exigir tratamento com prednisolona em algum momento após o curso de antibióticos.

A administração de vitamina K1 e ácido ursodesoxicólico, conforme descrita no Caso 1, o uso de protetores hepáticos (como a S-adenosilmetionina) e a suplementação de cobalamina também devem ser considerados. Tal como no Caso 1, é fundamental reconhecer a potencial importância de doenças concomitantes nesses gatos.

A colangite neutrofílica (formas aguda e crônica) parece ser a hepatopatia inflamatória felina mais comum tanto nos Estados Unidos como no resto do mundo, enquanto a colangite linfocítica parece mostrar uma preferência pelos gatos fora do continente norte-americano, como nas raças Bosques da Noruega e Persa. Em ambos os casos, parece que as doenças concomitantes são comuns e, normalmente, constituem a causa de óbito do gato. Mais uma vez, os gatos chamam a nossa atenção para o fato de que, independentemente de terem cetoacidose diabética, lipidose hepática ou colangite, eles podem ignorar a “Lei da Parcimônia da Navalha de Occam” (i. e., a ideia de que, se um paciente tem vários sinais clínicos, deve-se buscar um único diagnóstico que explique todas as características clínicas, em vez de atribuir um diagnóstico diferente a cada um) e, no lugar disso, eles assinarão embaixo do ditado de Hickam, o qual afirma que “os pacientes podem ter tantas doenças quanto quiserem”.

Referências

  1. Center SA. Diseases of the gallbladder and biliary tree. In: Strombeck’s Small Animal Gastroenterology, 3rd ed. Guilford, Center, Strombeck, et al (eds). Philadelphia, WB Saunders Co 1996;37;860-888.
  2. Hirsch VM, Doige CE. Suppurative cholangitis in cats. J Am Vet Med Assoc 1983;182:1223-1226.
  3. Prasse KW, Mahaffey EA, DeNovo R, et al. Chronic lymphocytic cholangitis in three cats. Vet Pathol 1982;19:99-108.
  4. Twedt D, Gilberton S. Icteric cats: A survey of 47 necropsied cats. Anim Med Ctr Lab Newsletter 1977;48.
  5. Weiss DJ, Gagne JM, Armstrong PJ. Relationship between inflammatory hepatic disease and inflammatory bowel disease, pancreatitis, and nephritis in cats. J Am Vet Med Assoc 1996;209:1114-1116.
  6. Day DG. Feline cholangiohepatitis complex. Vet Clin North Am Small Anim Pract 1995;25:375-385.
  7. Newell SM, Selcer BA, Girard E, et al. Correlations between ultrasonographic findings and specific hepatic diseases in cats: 72 cases (1985-1997). J Am Vet Med Assoc 1998;213:94-98.
  8. Day MJ. Immunohistochemical characterization of the lesions of feline progressive lymphocytic cholangitis/cholangiohepatitis. J Comp Pathol 1998;119:135-147.
  9. Gagne JM, Armstrong PJ, Weiss DJ, et al. Clinical features of inflammatory liver disease in cats: 41 cases (1983-1993). J Am Vet Med Assoc 1999;214:513-516.
  10. Kordick DL, Brown TT, Shin K, et al. Clinical and pathologic evaluation of chronic Bartonella henselae or Bartonella clarridgeiae infection in cats. J Clin Microbiol 199;37:1536-1547.
  11. Boomkens SY, Kusters JG, Hoffmann G, et al. Detection of Helicobacter pylori in bile of cats. FEMS Immunol Med Microbiol 2004;42:307-311.
  12. Greiter-Wilke A, Scanziani E, Soldati S, et al. Association of Helicobacter with cholangiohepatitis in cats. J Vet Intern Med 2006;20:822-827.
  13. Lapointe JM, Higgins R, Barrette N, et al. Enterococcus hirae enteropathy with ascending cholangitis and pancreatitis in a kitten. Vet Pathol 2000;37:282-284.
  14. Rothuizen J, Bunch SE, Charles JA, et al. (eds.) WSAVA Standards for Clinical and Histological Diagnosis of Canine and Feline Liver Disease. WSAVA standardization group. Philadelphia PA: Saunders Elsevier; 2006.
  15. Carreira VS, Viera RF, Machado GF, et al. Feline cholangitis/cholangiohepatitis complex secondary to Platynosmum fastosum infection in a cat. Rev Bras Parasitol Vet 2008;17 Suppl 1:184-187.
  16. Gagne JM, Weiss DJ, Armstrong PJ. Histopathologic evaluation of feline inflammatory liver disease. Vet Pathol 1996;33:521-526.
  17. Bayton WA, Westgarth C, Scase T, et al. Histopathological frequency of feline hepatobiliary disease in the UK. J Small Anim Pract 2018;59:404-410.
  18. Otte CM, Valtolina C, Vreman S, et al. Immunohistochemical evaluation of the activation of hepatic progenitor cells and their niche in feline lymphocytic cholangitis. J Feline Med Surg 2018;20:30-37.
  19. Otte CMA, Gutiérrez PO, Favier RP, et al. Detection of bacterial DNA I bile of cats with lymphocytic cholangitis. Vet Microbiol 2012;156:217-221.
  20. Callahan CJE, Haddad JL, Brown DC, et al. Feline cholangitis: a necropsy study of 44 cats (1986-2008). J Feline Med Surg 2011;13:570-576.
  21. Floreani A, Mangini C. Primary biliary cholangitis: Old and novel therapy. Eur J Int Med 2018;47:1-5.
  22. Brain PH, Barrs VR, Martin P, et al. Feline cholecystitis and acute neutrophilic cholangitis: clinical findings, bacterial isolates and response to treatment in six cases. J Feline Med Surg 2006;8:91-103.
  23. Byfield VL, Clark JEC, Turek BJ, et al. Percutaneous cholecystocentesis in cats with suspected hepatobiliary disease. J Feline Med Surg 2017;19:1254-1260.
  24. Smith RP, Gookin JL, Smolski W, et al. Association between gallbladder ultrasound findings and bacterial culture of bile in 70 cats and 202 dogs. J Vet Intern Med 2017;31:1451-1458.
  25. Peters LM, Glanemann B, Garden OA, et al. Cytological findings of 140 bile samples from dogs and cats and associated clinical pathological data. J Vet Intern Med 2016;30:123-131.

Leitura adicional

  1. Boland L, Beatty J. Feline cholangitis. Vet Clin North Am Small Anim Pract 2017;47:703-724.

Craig B. Webb

Craig B. Webb

Formado em 1987 pela Faculdade de Medicina Veterinária de Virginia-Maryland, o Dr. Datz trabalhou tanto em clínica particular de animais de companhia como na Faculdade de Medicina Veterinária da University of Missouri, onde lecionou matérias sobre primeiros socorros e nutrição. Leia mais

Outros artigos nesta edição

Número da edição 29.3 Publicado 11/11/2021

Insuficiência pancreática exócrina em cães

A insuficiência pancreática exócrina é uma doença debilitante, subdiagnosticada em cães.

por María-Dolores Tabar Rodríguez

Número da edição 29.3 Publicado 11/11/2021

Nutrição para o gato diabético

O diabetes mellitus pode ter efeitos de grande alcance no metabolismo do corpo.

por Veerle Vandendriessche

Número da edição 29.3 Publicado 11/11/2021

Técnicas de diagnóstico por imagem do fígado e pâncreas

A obtenção de imagens do fígado e pâncreas pode fornecer informações valiosas ao se investigar possíveis doenças ligadas a esses órgãos.

por Laurent Blond

Número da edição 29.3 Publicado 10/11/2021

Pancreatite aguda felina

A pancreatite felina é uma das doenças mais comumente encontradas na clínica de pequenos animais.

por Karin Allenspach