Revista médica e científica internacional dedicada a profissionais e estudantes de medicina veterinária.
Veterinary Focus

Número da edição 33.2 Outros conteúdos científicos

Toxoplasmose felina

Publicado 29/02/2024

Escrito por Christopher Fernandez-Prada e Victoria Wagner

Disponível em Français , Deutsch , Italiano , Español e English

Atualmente, sabe-se que a toxoplasmose tem distribuição mundial e, embora o gato seja o único hospedeiro definitivo, o parasita pode ter implicações significativas tanto para a saúde humana como animal.

microrganismo Toxoplasma

Pontos-chave

Embora a infecção felina por Toxoplasma gondii seja comum em todo o mundo, a maioria dos gatos permanece assintomática.


A infecção por T. gondii em seres humanos pode ocorrer através da ingestão de oocistos (p. ex., alimentos, solo e água contaminada) ou cistos teciduais (carne malcozida).


Não é recomendada a detecção de oocistos de T. gondii nas fezes de gatos como teste diagnóstico isolado em virtude do curto período de eliminação e de sua semelhança com outros parasitas.


Os oocistos necessitam de, no mínimo, 24 horas após a eliminação para se tornarem infectantes; portanto, a limpeza diária da bandeja sanitária é uma estratégia eficaz para prevenir a transmissão no ambiente doméstico.


Introdução

O parasita protozoário intracelular Toxoplasma gondii pode infectar a maioria das espécies de animais vertebrados e, embora os felídeos sirvam como seu único hospedeiro definitivo, ele está sendo cada vez mais reconhecido como uma grande ameaça em muitos ecossistemas. A ingestão do parasita pelo hospedeiro definitivo ou intermediário tipicamente culmina em uma infecção crônica subclínica ou assintomática; em indivíduos suscetíveis ou não imunocompetentes, entretanto, a toxoplasmose pode levar ao abortamento e à falência reprodutiva, ou até mesmo à falência de órgãos e ao óbito 1. Hoje em dia, a toxoplasmose é encontrada em todo o mundo; a prevalência da eliminação (i. e., liberação para o ambiente) de oocistos varia de 0,7 a 41% dos gatos em qualquer dado momento, dependendo do país em questão. Nos EUA, a prevalência de títulos positivos de anticorpos contra T. gondii em gatos varia de 14 a 100% 2. Embora muitos seres humanos também estejam infectados (p. ex., aproximadamente 40 milhões nos EUA), a maioria deles é assintomática, mas alguns, sobretudo aqueles que se encontram imunocomprometidos, podem sofrer de problemas oculares ou neurológicos associados 3.

Ciclo de vida do Toxoplasma gondii

O Toxoplasma gondii possui um ciclo de vida complexo que requer um hospedeiro definitivo e um hospedeiro intermediário para completar os ciclos sexuado e assexuado, respectivamente (Figura 1). O parasita existe em 3 estados distintos – taquizoíto, bradizoíto, e esporozoíto (em oocisto), dos quais todos podem ser infecciosos para os seres humanos. Os taquizoítos constituem o estágio assexuado do parasita que se divide rapidamente e podem ser encontrados nos tecidos de qualquer hospedeiro vertebrado. Os bradizoítos são igualmente ubíquos e também serão encontrados nos tecidos do hospedeiro; no entanto, esse estágio de vida se divide lentamente e se encista.

Ciclo de vida do Toxoplasma gondii

Figura 1. Ciclo de vida do Toxoplasma gondii. Os oocistos não esporulados são eliminados nas fezes do gato, levando de 1 a 5 dias para esporular no ambiente antes de se tornarem infectantes. Os hospedeiros intermediários na natureza (incluindo mamíferos e aves) são infectados após a ingestão de solo, água ou material vegetal contaminado com oocistos. Os gatos se tornam infectados depois de consumir hospedeiros intermediários (p. ex., aves e roedores) que abrigam cistos teciduais ou pela ingestão direta de oocistos esporulados. Os oocistos se transformam em taquizoítos logo após a ingestão; estes se localizam no tecido neural e muscular e se convertem em cistos teciduais de bradizoítos. Os seres humanos são infectados pela ingestão de carne malcozida contendo cistos teciduais ou pelo consumo de alimentos, água, solo e outros materiais contaminados com oocistos de fezes de gatos. A transmissão vertical da mãe para o feto e a transmissão por transfusão sanguínea também são possíveis.
© Dr. Aida Minguez-Menendez (UdeM)/Redrawn by Sandrine Fontègne

Os gatos, hospedeiro definitivo do T. gondii, são infectados através da ingestão de cistos teciduais, por exemplo, quando caçam presas e se alimentam delas (Figura 2), ou de oocistos esporulados ou infectantes (presentes no solo, na água ou em plantas contaminados com fezes felinas). O parasita pode se reproduzir sexualmente nesta espécie, e os gatos infectados por bradizoítos ou oocistos começarão a liberar oocistos em suas próprias fezes entre 3 e 10 ou entre 19 e 48 dias após a ingestão, respectivamente, e podem continuar a eliminar oocistos por até 2 semanas (Figura 3) 2,4. Os oocistos esporulam e se tornam infecciosos entre 1 e 5 dias após a excreção e são extremamente resistentes no ambiente.

Os gatos podem ser infectados ao ingerir presas que carreiam cistos parasitários

Figura 2. Os gatos podem ser infectados ao ingerir presas que carreiam cistos parasitários. Existe uma teoria (a hipótese da manipulação comportamental) de que o microrganismo Toxoplasma no cérebro de pequenos mamíferos altera o comportamento desses animais, de tal modo que eles se mostrem menos cautelosos com os predadores e mais propensos a serem capturados, aumentando assim a probabilidade de que o parasita consiga continuar seu ciclo de vida.
© Shutterstock

Os principais meios pelos quais os seres humanos são infectados pelo T. gondii incluem a ingestão de carne malcozida contendo cistos parasitários, ou a ingestão de oocistos através da contaminação fecal de alimentos, mãos, etc. 4,5.

Oocistos de Toxoplasma gondii

Figura 3. Oocistos de Toxoplasma gondii em flutuação fecal de paciente felino (aumento de 40×).
© Prof. Christopher Fernandez-Prada (UdeM) 

Sinais clínicos de toxoplasmose felina

Pode ser difícil identificar a toxoplasmose em gatos, já que a maioria das infecções é assintomática; na presença de sinais clínicos, os mais frequentes são febre, anorexia e letargia. O crescimento intracelular do microrganismo resulta em efeitos citopáticos diretos, com inflamação e necrose celular, de tal modo que outros sinais mais específicos dependem da localização dos taquizoítos no corpo (Figuras 4-6); esses sinais podem incluir alterações oculares, sinais neurológicos, pneumonia, e icterícia 4. Vírus da leucemia felina, vírus da imunodeficiência felina, neoplasia, e administração de medicamentos imunossupressores (especialmente a ciclosporina) são, sem exceção, fatores de risco para o desenvolvimento de doenças clínicas. As infecções agudas, sobretudo em filhotes de gatos, costumam ser fatais 6.

Imagens histopatológicas dos rins de filhote felino infectado por Toxoplasma gondii

Figura 4. Imagens histopatológicas dos rins de filhote felino infectado por Toxoplasma gondii. Nesta imagem, há uma nefrite intersticial linfo-histiocitária leve; além disso, observaram-se formas raras de zoítos (aumento de 20×), não demonstrados aqui.
© Prof. Guillaume St-Jean (UdeM)

Amostras coletadas do cérebro do filhote felino

Figura 5. Amostras coletadas do cérebro do filhote felino da Figura 4, exibindo encefalite moderada não supurativa, com a formação de manguitos linfo-histiocitários perivasculares (seta pequena). A inflamação se estende levemente para o neurópilo adjacente (ponta de seta), com leve reação glial (aumento de 20×).
© Prof. Guillaume St-Jean (UdeM)

Cisto de protozoário no cérebro do filhote felino

Figura 6. Cisto de protozoário no cérebro do filhote felino da Figura 4, contendo inúmeras estruturas arredondadas pequenas (1-2 µm de diâmetro) (bradizoítos). Os cistos posteriormente testaram positivo para Toxoplasma gondii por imuno-histoquímica (aumento de 63×).
© Prof. Guillaume St-Jean (UdeM)

Diagnóstico

O diagnóstico confiável da toxoplasmose pode não ser uma tarefa fácil. As anormalidades hematológicas observadas em gatos acometidos podem incluir anemia arregenerativa, leucocitose, linfocitose, monocitose, e eosinofilia. Infecções graves também podem causar leucopenia; em particular, neutropenia com desvio degenerativo à esquerda. As alterações na bioquímica sérica e nos valores urinários dependerão dos órgãos envolvidos 6.

Como ferramenta de diagnóstico, não é recomendada a detecção de oocistos de T. gondii nas fezes como um teste isolado devido ao curto período de eliminação dos hospedeiros felinos e à semelhança microscópica desses oocistos com outros parasitas 4,7. Além disso, a identificação de oocistos nas fezes não se correlaciona com o desenvolvimento de doença clínica em gatos 2. Em vez disso, é recomendável a realização de teste sorológico para o diagnóstico definitivo antemortem, e títulos elevados de IgM (> 1:256) são geralmente compatíveis com infecção recente por T. gondii. Alternativamente, é possível utilizar títulos de IgG pareados (medidos com intervalo de 2 a 4 semanas), embora a interpretação dos resultados possa ser complexa (Tabela 1) 1,2. Alguns gatos também podem sofrer de infecção crônica por T. gondii, em que os cistos teciduais se rompem e liberam bradizoítos novamente na circulação; tais episódios podem ou não estar associados à excreção de oocistos, dependendo do estado imunológico do animal em questão 8.

Não é recomendado testar gatos saudáveis quanto à presença de anticorpos contra T. gondii 6, pois o teste sorológico não é um indicador preciso (exato) da liberação de oocistos em gatos e, a maioria dos gatos, quando eliminam oocistos ativamente, são, na verdade, soronegativos nesse momento 2.

Tabela 1. Interpretação de resultados sorológicos de IgG contra T. gondii 6.

Resultado da sorologia Interpretação/análise
Aumento de ≥ 4 vezes no título em amostras séricas pareadas  Verdadeiro-positivo (infecção recente/ativa)
Aumento de < 4 vezes no título em amostras séricas pareadas Verdadeiro-negativo (sem infecção recente/ativa) OU falso-negativo (infecção recrudescente)
Único resultado positivo elevado (p. ex., 1:1000) Presença de cistos teciduais de bradizoítos
Christopher Fernandez-Prada

Pode ser difícil identificar a toxoplasmose em gatos, já que a maioria das infecções é assintomática; na presença de sinais clínicos, os mais frequentes são febre, anorexia e letargia.

Christopher Fernandez-Prada

Tratamento e prognóstico

Embora não exista tratamento aprovado para toxoplasmose felina, a clindamicina é o medicamento de escolha (10-12,5 mg/kg VO a cada 12 horas por até 4 semanas) para casos agudos ou disseminados, acompanhada de cuidados de suporte apropriados 6. Para reduzir a liberação de oocistos, pode-se lançar mão da pirimetamina (0,25-0,5 mg/kg VO a cada 12 horas por até 4 semanas) ou de sulfonamidas (15-30 mg/kg VO a cada 12 horas por até 4 semanas); de modo geral, ambas as opções serão benéficas durante a fase aguda da infecção, mas raramente são eficazes para eliminar a infecção. Os tratamentos combinados de trimetoprima-sulfonamida são uma opção alternativa (15 mg/kg VO a cada 12 horas durante 4 semanas) 2, e também se podem considerar medicamentos anticoccidianos (p. ex., toltrazurila, ponazurila). Vale destacar que nenhum tratamento se mostrou significativamente eficaz durante o estágio de bradizoíto da infecção 1.

Vários fatores afetam o prognóstico de gatos que apresentam sinais clínicos de toxoplasmose; estes incluem os sistemas/órgãos afetados (Figuras 7 e 8) e o tempo entre a infecção e o início do tratamento. Geralmente, se os sinais clínicos melhorarem dentro de 2-3 dias após o início da terapia, o prognóstico é mais favorável; no entanto, a infecção por toxoplasmose que afeta os pulmões ou o fígado acarreta um prognóstico ruim 4.

Citologia de lavado broncoalveolar de gato infectado

Figura 7. Citologia de lavado broncoalveolar de gato infectado. Observa-se uma inflamação mista associada à presença de inúmeros taquizoítos de Toxoplasma em forma de meia-lua (aumento de 500×).
© Prof. Christian Bédard (UdeM)

Citologia de linfonodo infartado em gato

Figura 8. Citologia de linfonodo infartado em gato, caracterizado por hiperplasia reativa e inflamação macrofágica. Podem ser observados dois taquizoítos intracelulares de Toxoplasma (aumento de 500×). 
© Prof. Christian Bédard (UdeM)

Implicações zoonóticas

Os seres humanos correm risco de adquirir infecção por T. gondii através da ingestão de alimentos ou água contaminados com oocistos, cistos teciduais em carne malcozida contaminada, ou por transfusões de sangue, transplantes de órgãos, ou infecções congênitas. A maioria das infecções é assintomática, embora haja relatos de casos ocasionais de febre, linfadenopatia e mal-estar. Contudo, o T. gondii representa um sério risco para o feto durante a gravidez humana; a toxoplasmose congênita pode causar danos oculares e/ou neurológicos graves quando os taquizoítos migram por via transplacentária até alcançar o feto 1. Embora geralmente nasçam sem sintomas, esses indivíduos podem sofrer graves déficits visuais, crises convulsivas, ou outros problemas neurológicos no futuro 9. Além disso, indivíduos imunocomprometidos de qualquer idade correm o risco de desenvolver toxoplasmose sintomática – que, muitas vezes, envolve o cérebro, os pulmões e/ou outros órgãos vitais 5.

Victoria Wagner

Não é recomendado testar gatos saudáveis quanto à presença de anticorpos contra T. gondii, pois o teste sorológico não é um indicador preciso (exato) da excreção de oocistos, e a maioria dos gatos, quando eliminam oocistos ativamente, são, na verdade, soronegativos nesse momento.

Victoria Wagner

É cada vez mais frequente o relato de contaminação do solo e de águas subterrâneas (lençóis freáticos) por oocistos de Toxoplasma em todo o mundo. Em uma revisão de 22 estudos, concluiu-se que isso é um motivo de grande preocupação, uma vez que o escoamento de fezes de gatos infectados contamina consideravelmente os lençóis de água 3. A contaminação do oceano leva à infecção e morte de inúmeros mamíferos marinhos, incluindo focas, baleias, golfinhos, e lontras marinhas 10,11. A água potável também está em risco; o ato de jogar o conteúdo da bandeja sanitária do gato em vasos sanitários tem contribuído para vários surtos de toxoplasmose humana em diversos países 12,13.

Os oocistos são notavelmente resistentes, sendo capazes de sobreviver e permanecer infecciosos durante anos, mesmo em condições abaixo do ideal 14. Além disso, é provável que sejam necessários pouquíssimos oocistos para infectar um ser humano com sucesso; estudos em suínos demonstraram que um único oocisto era suficiente para induzir infecção 15. Como tal, é crucial tomar medidas para eliminar as fezes dos gatos de forma responsável.

Ao contrário da crença popular, foi determinado que o contato direto com gatos não é um fator de risco significativo para a infecção humana por Toxoplasma gondii 16. Todavia, a limpeza diária da bandeja sanitária por si só é uma estratégia simples e fácil para prevenir a infecção (Figura 9) – os oocistos necessitam de, pelo menos, 24 horas para se tornarem infectantes 4, e (sempre que possível) manter os gatos em ambientes fechados (indoor) também ajuda. Os médicos-veterinários devem desempenhar um papel fundamental na orientação dos clientes sobre as medidas a serem tomadas para mitigar os riscos relacionados com a infecção por T. gondii, tanto em gatos como na população geral (Tabela 2).

A limpeza diária da bandeja sanitária dos gato

Figura 9. A limpeza diária da bandeja sanitária dos gatos ajuda a reduzir o risco de transmissão de cistos de Toxoplasma para seres humanos.
© Shutterstock

Tabela 2. Estratégias para mitigar o risco zoonótico de infecção por T. gondii 1,2,3,4.

Estratégias gerais Estratégias específicas para os gatos
Lavar bem as mãos após manusear carne crua, jardins, ou outras atividades de risco (p. ex., esvaziar/limpar uma bandeja sanitária) Manter os gatos domésticos em ambientes internos (indoor)
Lavar bem as facas de cozinha e as tábuas de corte após o preparo de carne crua, frutas, ou legumes Alimentar os gatos apenas com dietas secas ou enlatadas (úmidas) industrializadas disponíveis no mercado ou alimentos cozidos
Cozinhar bem a carne antes do consumo Limpar a bandeja sanitária diariamente e descartar o conteúdo da bandeja de maneira responsável (p. ex., em sacos de lixo lacrados)
Lavar ou descascar frutas e legumes antes do consumo Evitar que grávidas ou pessoas imunocomprometidas limpem a bandeja sanitária
Usar luvas durante a jardinagem Cobrir cercados de areia e terra solta em áreas de lazer ao ar livre para evitar que gatos defequem

 

Considerações finais

O Toxoplasma gondii é uma infecção parasitária comum em gatos e geralmente apresenta um curso assintomático, embora infecções agudas ou disseminadas possam afetar os olhos, o cérebro ou outros sistemas. A clindamicina é o tratamento de escolha. O diagnóstico conclusivo requer sorologia com títulos de IgG pareado ou IgM. Como uma doença zoonótica, a toxoplasmose é especialmente perigosa para mulheres grávidas ou indivíduos imunocomprometidos, mas a posse de um gato não representa um risco significativo de infecção humana; em vez disso, a ingestão de alimentos ou água contaminados com oocistos ou de cistos teciduais em carne malcozida são uma ameaça muito mais real. A contaminação fecal do solo e da água também apresenta um sério risco à saúde. Estratégias simples de higiene podem prevenir a transmissão do T. gondii e, para os tutores de gatos, a manutenção de seus pets em ambientes fechados (se possível) e a limpeza diária da bandeja sanitária atenuam consideravelmente o risco zoonótico.

Referências

  1. Moré GA. Toxoplasmosis in Animals. Merck Manual Veterinary Manual. 2022. https://www.msdvetmanual.com/generalized-conditions/toxoplasmosis/toxoplasmosis-in-animals accessed 17th January 2023

  2. Companion Animal Parasite Council (CAPC). CAPC Guidelines; Toxoplasma gondii. 2014. https://capcvet.org/guidelines/toxoplasma-gondii/ accessed 17th January 2023

  3. Torrey E. Sentinel seals, safe cats, and better treatments. In: Parasites, Pussycats and Psychosis. Springer, Cham. 2022;121-133.

  4. Cornell Feline Health Center. Toxoplasmosis in Cats. 2018 https://www.vet.cornell.edu/departments-centers-and-institutes/cornell-feline-health-center/health-information/feline-health-topics/toxoplasmosis-cats Accessed 17th January 2023

  5. Elmore SA, Jones JL, Conrad PA, et al. Toxoplasma gondii: epidemiology, feline clinical aspects, and prevention. Trends Parasitol. 2010;26(4):190-196.

  6. Barrs V. Feline Toxoplasmosis. In; Proceedings, WSAVA Congress 2013. Sydney, Australia. 

  7. Abdul Hafeez M, Mehdi M, Aslam F, et al. Molecular characterization of Toxoplasma gondii in cats and its zoonotic potential for public health significance. Pathogens 2022;11(4):437.

  8. Castillo-Morales VJ, Acosta Viana KY, Guzmán-Marín EDS, et al. Prevalence and risk factors of Toxoplasma gondii infection in domestic cats from the Tropics of Mexico using serological and molecular tests. Interdiscip. Perspect. Infect. Dis. 2012;2012:529108.

  9. Center for Disease Control. Toxoplasmosis: An Important Message for Cat Owners. https://www.cdc.gov/parasites/toxoplasmosis/resources/printresources/catowners_2017.pdf accessed 17th January 2023

  10. Iqbal A, Measures L, Lair S, et al. Toxoplasma gondii infection in stranded St. Lawrence Estuary beluga Delphinapterus leucas in Quebec, Canada. Dis. Aquat. Organ 2018;130(3):165-175.

  11. Miller MA, Grigg ME, Kreuder C, et al. An unusual genotype of Toxoplasma gondii is common in California sea otters (Enhydra lutris nereis) and is a cause of mortality. Int. J. Parasitol. 2004;34(3):275-284.

  12. Bowie, WR, King AS, Werker DH, et al. Outbreak of toxoplasmosis associated with municipal drinking water. The BC Toxoplasma Investigation Team. Lancet 1997;350(9072):173-177.

  13. Shapiro K, Bahia-Oliveira L, Dixon B, et al. Environmental transmission of Toxoplasma gondii: Oocysts in water, soil and food. Food Waterborne Parasitol. 2019;15;e00049.

  14. Yilmaz SM, Hopkins SH. Effects of different conditions on duration of infectivity of Toxoplasma gondii oocysts. J. Parasitol. 1972;58(5):938-939.

  15. Dubey JP, Lunney JK, Shen SK, et al. Infectivity of low numbers of Toxoplasma gondii oocysts to pigs. J. Parasitol. 1996;82(3):438-443.

  16. Dubey JP, Jones JL. Toxoplasma gondii infection in humans and animals in the United States. Int. J. Parasitol. 2008;38(11):1257-1278.

Christopher Fernandez-Prada

Christopher Fernandez-Prada

O Dr. Fernandez-Prada é médico-veterinário e pesquisador de parasitologia molecular, dedicado ao combate a parasitas zoonóticos Leia mais

Victoria Wagner

Victoria Wagner

A Dra. Wagner se formou na Faculdade de Medicina Veterinária da UdeM em 2020, depois do qual concluiu mestrado em Parasitologia Veterinária na mesma instituição em colaboração com o McGill University Health Centre (Centro de Saúde da Universidade McGill), com foco na leishmaniose canina Leia mais

Outros artigos nesta edição

Número da edição 33.2 Publicado 13/05/2024

Uma abordagem amigável para a consulta de gatos idosos

Os gatos estão desfrutando de vidas mais longas e com melhor qualidade. Como podemos garantir que os cuidados de saúde que lhes oferecemos sejam os melhores possíveis? Este artigo oferece algumas sugestões.

por Sarah M. A. Caney

Número da edição 33.2 Publicado 06/05/2024

Diagnóstico precoce da osteoartrite felina

A osteosteoartritertrite em felinos frequentemente passa despercebida e não recebe tratamento adequado, apesar de ser amplamente prevalente. Este artigo explora maneiras de superar o desafio do diagnóstico precoce, resultando em intervenções terapêuticas mais eficazes.

por Lauren M. Meneghetti e Karen L. Perry

Número da edição 33.2 Publicado 19/04/2024

Lipidose hepática felina

A lipidose hepática no gato é uma condição comum e potencialmente fatal, mas uma abordagem criteriosa pode muitas vezes culminar em um resultado positivo.

por Ran Nivy

Número da edição 33.2 Publicado 01/04/2024

Eliminação em locais inadequados em gatos

A eliminação em locais inadequados por parte dos gatos é um problema frequente para muitos tutores. Este artigo oferece uma abordagem holística para ajudar os clínicos a orientar seus clientes.

por Kelly A. St. Denis