Revista médica e científica internacional dedicada a profissionais e estudantes de medicina veterinária.

Número da edição 29.1 Comportamento

Brinquedos dispensadores de alimentos para gatos

Publicado 04/01/2021

Escrito por Ingrid Johnson

Disponível em Français , Deutsch , Italiano , Español , English e ภาษาไทย

Muitos gatos estão sujeitos às escolhas de horários e métodos de alimentação estabelecidos por seus tutores, o que representa uma situação muito artificial. Os brinquedos interativos dispensadores de alimentos podem ser usados em quase todos os ambientes domésticos e proporcionam aos gatos estímulo mental e físico, como descreve Ingrid Johnson.

Brinquedos dispensadores de alimentos para gatos

Pontos-chaves

Os gatos são caçadores por natureza, e os brinquedos dispensadores de alimentos podem proporcionar enriquecimento ambiental e mimetizar padrões alimentares naturais. 


Embora existam muitos tipos diferentes de brinquedos interativos disponíveis, um gato deve se familiarizar gradativamente com o conceito de “brinquedos dispensadores de alimentos”.


Introdução

Oferecer aos gatos a oportunidade de se esforçar por seu alimento, exatamente como eles fariam ao caçar em ambientes externos, é uma forma de enriquecimento ambiental muitas vezes negligenciada ou esquecida. Isso é particularmente verdadeiro para gatos criados dentro de casa (ou seja, com um estilo de vida interior). Fornecer aos gatos uma tigela cheia de alimento seco, como fazem muitos tutores, ou alimentá-los apenas duas vezes ao dia para mantê-los em forma, é frustrante para esses animais e frequentemente resulta em problemas comportamentais. A busca interativa por alimento é uma solução intermediária entre a alimentação livre (ad libitum, ou seja, à vontade e sem esforço) e a alimentação restrita ou rigorosa. Tédio, frustração e estresse são algumas das causas mais comuns de transtornos comportamentais em felinos. Os brinquedos interativos dispensadores de alimentos representam uma forma de passar o tempo, transformando a frustração de não fazer nada em algo para os gatos resolverem  1 Esse comportamento se torna gratificante, pois o gato recebe uma recompensa alimentar conforme aprende a lidar com o mecanismo do brinquedo. 

 

Necessidades nutricionais e hábitos alimentares

Antes de oferecer brinquedos interativos dispensadores de alimentos aos gatos, é necessário compreender o que e como eles comem. Os gatos são carnívoros obrigatórios (estritos) e, na natureza, eles fazem entre 9 a 16 pequenas refeições de tamanho uniforme ao longo do dia 2. De fato, há evidências de que os gatos alimentados com horários restritos podem ser mais agressivos e colaborar menos do que aqueles com livre acesso aos alimentos2.

Os gatos não são animais que “se alimentam em família”. Apesar de serem espécies sociáveis que vivem em grupos, os gatos caçam e comem sozinhos 2.Ao contrário dos grandes felinos, nossos gatos domésticos capturam pequenas presas que não podem ser compartilhadas. Os gatos também preferem — e se sentem mais confortáveis em — controlar seus recursos e necessidades básicas. Quando esse controle é retirado ou perdido (o que, muitas vezes, acontece sem intenção pelos tutores), isso acaba gerando estresse. Para o bem-estar e a saúde mental dos gatos, é essencial que eles tenham livre acesso a alimentos e água, bem como a áreas de toalete e locais seguros de descanso. Por isso, precisamos permitir que os nossos gatos se alimentem, mas se esforcem para isso. É aqui que os brinquedos interativos dispensadores de alimentos entram em cena. 

 

Como introduzir os brinquedos interativos


O primeiro brinquedo interativo dispensador de alimento para gatos deve ser simples e de fácil manuseio. O gato precisa aprender a “brincadeira" e ser recompensado pelo comportamento. Basicamente, existem dois tipos de brinquedos interativos dispensadores de alimentos: os rolantes (giratórios) e os fixos (estacionários). Os brinquedos podem ser comprados ou feitos em casa, podendo ser projetados para alimentos secos ou úmidos (Figura 1) ou para ambos, embora os brinquedos para alimentos úmidos exijam um pouco mais de criatividade para serem implementados. Em termos gerais e de acordo com a experiência da autora, os brinquedos rolantes são mais desafiadores que os fixos, mas cada gato é diferente. Se a perda de peso for um objetivo desejado, os brinquedos rolantes farão com que o gato se esforce mais. Incentivar os gatos a buscarem por alimento nos dois tipos de brinquedos aumenta a versatilidade, proporcionando maior estímulo mental e enriquecimento ambiental. 
 
Figura 1a. Um brinquedo fixo (disponível no mercado), que pode ser usado para alimento seco ou úmido de gatos.© Ingrid Johnson
Figura 1b. Outro brinquedo (também disponível no mercado), projetado para colocar uma pequena quantidade de croquetes em seu interior, com uma “capa” externa semelhante a um camundongo de mentira. Esse tipo de brinquedo permite que o gato veja o alimento, mas exige certo grau de destreza manual para manipular o brinquedo e retirar os croquetes. © Liz Bales

Para os iniciantes, os brinquedos fixos ou imóveis são provavelmente a opção mais fácil de lidar. Esses brinquedos podem ser tão simples quanto uma bandeja velha de cubos de gelo ou uma fôrma de muffin, onde o gato simplesmente precisa alcançar o alimento e retirá-lo com a pata (Figura 2). É particularmente importante oferecer um brinquedo fixo se o gato tiver muita dificuldade com brinquedos rolantes.

Figura 2. Uma bandeja de cubos de gelo pode ser usada como um brinquedo “fixo” muito simples para iniciantes. © Ingrid Johnson

Para os brinquedos rolantes, comece com objetos translúcidos (ou seja, transparentes), para que o gato possa ver, cheirar e ouvir o alimento chacoalhando dentro deles (Figura 3). Os brinquedos esféricos são mais simples para iniciantes, uma vez que eles rolam com facilidade e são menos frustrantes. O objeto deve ter vários orifícios por onde os croquetes podem sair; brinquedos com três furos costumam ser suficientes para quase todos os iniciantes  3. Alguns gatos alimentados estritamente com refeições fixas podem começar a procurar por comida tão rápido a ponto de fazer a transição quase imediata para brinquedos de um ou dois orifícios. 

Figura 3. Um brinquedo rolante semitransparente, disponível no mercado. O gato consegue visualizar o alimento que sai por três orifícios. Os brinquedos em formato oval rolam de forma excêntrica e podem ser mais difíceis para um gato dominar. É possível aumentar a dificuldade e complexidade da brincadeira, utilizando um brinquedo dentro de outro. © Ingrid Johnson
Os brinquedos rolantes devem ser preenchidos de croquetes até pelo menos metade deles ou três quartos, pois um brinquedo quase vazio pode ser muito complicado para o gato e gerar frustração. A princípio, o tutor pode facilitar a brincadeira, espalhando alguns croquetes secos em torno do brinquedo; à medida que o gato come esses croquetes, é provável que ele empurre o brinquedo e consiga mais croquetes. Para os principiantes com necessidade de mais tempo de aprendizado, os brinquedos rolantes podem ser deixados abertos em duas metades, para que o gato possa retirar o alimento com a pata. Depois de ter observado uma experiência positiva com o objeto, o tutor poderá montá-lo novamente e carregá-lo de alimento, espalhando mais uma vez alguns croquetes extras ao redor do brinquedo; a maioria dos gatos empurra o brinquedo com o focinho ou a pata só pelo fato de saber que no dia anterior eles receberam alimentos de lá.

Os brinquedos podem ser introduzidos a qualquer momento na vida do gato; apesar de já conseguirem usar brinquedos dispensadores de alimentos com apenas 8 a 10 semanas da idade, eles muitas vezes não têm uma capacidade de atenção e concentração suficiente para buscar por comida nessa fase da vida. Embora os gatos possam demonstrar pouco interesse a princípio, eles começarão a se engajar mais intensamente com o tempo.
 

 

Motivando os gatos a procurarem comida

É possível que o gato tenha pouca motivação para obter comida quando ele tem a tigela de alimento à sua disposição há anos. Nesse caso, é aconselhável colocar um alimento diferenciado no brinquedo para despertar algum interesse no gato. Isso incentivará um gato a pensar que ele(a) está procurando por petiscos, mesmo que seja apenas um tipo diferente de alimento. 

Alguns gatos se saem bem se o brinquedo dispensador de alimento for colocado em sua área de alimentação habitual; para outros, colocar o brinquedo em um local novo e interessante parece despertar mais interesse. Valem a pena tentar as duas opções — o objetivo final é espalhar os brinquedos por toda a casa, especialmente em um lar com muitos gatos, embora a princípio possa ser necessário tentar várias táticas diferentes para incentivar seu uso. 

Se o gato ainda tiver dificuldades com o brinquedo, vale a pena tentar misturar petiscos com o alimento habitual dentro do brinquedo. Isso pode ser suficiente para despertar o interesse. Para os principiantes com necessidade de mais tempo de aprendizado, basta deixar pequenas quantidades de comida em determinados locais da casa, para que o gato os descubra mais tarde. Isso, no mínimo, levará o animal a ter o hábito de procurar por sua comida. 

Também é útil imitar o habitat natural do gato e sua maneira de se alimentar na natureza. Por exemplo, um brinquedo texturizado pode mimetizar o que um gato sentiria ao procurar por comida na grama (Figura 4); além disso, o uso de uma dieta própria para cuidado bucal e dentário pode simular a ação mastigatória exercida pelo gato que se alimenta de presas em condições selvagens — embora a escolha da dieta seja, em parte, ditada pelo estado de saúde do animal. Os tutores podem ser incentivados a usar essas dietas quando começarem a aprender o conceito de procura por alimentos; a maioria dos tutores prefere colocar no brinquedo algo que seja bom, único e saudável para o gato, em vez de simplesmente encher o brinquedo com petiscos. 

 
Figura 4. Um brinquedo texturizado pode simular o que um gato sentiria ao procurar por comida na grama. © Ingrid Johnson

Nunca se deve deixar o gato passar fome para comer um novo alimento nem adotar a postura de que “se ele(a) estiver com fome o suficiente, ele(a) comerá”. Além de não funcionar, isso pode afetar a saúde do gato. Os gatos são excelentes caçadores e, quando estão ao ar livre, eles geralmente não ficam tanto tempo sem comer como um cão. É essencial que os gatos comam todos os dias. 

 

Graduando o nível de dificuldade

Quado um gato se familiarizar com os brinquedos dispensadores de alimentos e pegar o jeito de obter comida nesses dispositivos, comece a aumentar o nível de dificuldade gradativamente. A redução do número de orifícios no objeto torna a saída do alimento mais difícil. 

Para aumentar a complexidade da brincadeira, comece com brinquedos que não se movem de modo tão previsível quanto uma bola ou, então, use brinquedos opacos, para que o gato seja motivado pelo cheiro ou pelas experiências prévias aprendidas. Os brinquedos maiores ou mais pesados apresentam outra dificuldade adicional, pois são mais difíceis de empurrá-los; embora tais brinquedos possam ser mais complicados e desafiadores para alguns filhotes, eles são excelentes para casas com vários gatos. 

A combinação de vários brinquedos é outra maneira de aumentar o grau de dificuldade. Pode-se usar um brinquedo pequeno, com o qual o gato já saiba lidar, e colocá-lo dentro de outro objeto, para que o gato tenha de manipulá-lo duas vezes para receber sua recompensa (Figura 5). Mais cedo ou mais tarde, a maior parte dos gatos acaba aprendendo a superar esse nível de complexidade  4

 

 
Figura 5. Brinquedo fixo em “formato de túnel” (disponível no mercado), preenchido de alimento, com uma bola de pingue-pongue colocada na parte de dentro, para aumentar a complexidade. Se o brinquedo for utilizado sem a bola como obstáculo, o gato encontrará o alimento com muito mais facilidade, o que seria conveniente para iniciantes. © Ingrid Johnson

Conforme mencionado anteriormente, para muitos gatos, os brinquedos fixos são muito bons para iniciantes, pois servem para ensinar o conceito de busca pelo alimento quando esses pets ainda não entendem o mecanismo dos brinquedos que rolam. Também se pode aumentar a complexidade do brinquedo fixo 5,  de tal modo que o gato tenha de usar suas patas para extrair os croquetes, em vez de movê-lo com as patas ou o focinho (Figura 6). Para dificultar um pouco mais a brincadeira, um brinquedo rolante cheio de comida pode ser introduzido dentro do brinquedo fixo.

Figura 6. Brinquedo fixo de considerável dificuldade que pode ser usado por mais de um gato ao mesmo tempo. Nesse tipo de brinquedo, o gato precisa introduzir a pata para remover os croquetes. © Ingrid Johnson

Os dispositivos caseiros podem ser muito eficazes (Figura 7) e, em geral, são facilmente elaborados, utilizando itens do dia a dia; por exemplo, pode-se usar uma velha caixa de sapatos com furos na parte de cima e nas laterais, cheia de brinquedos e alimentos, deixando a tampa bem fechada — a maioria dos gatos é esperta o bastante para abrir a tampa. Caso se faça uso de brinquedos rolantes dentro da caixa, os orifícios devem ser um pouco maiores que os brinquedos, para que o gato consiga retirá-los, se quiser. 

Figura 7. Brinquedos caseiros montados com um pouco de criatividade e imaginação. (a) Brinquedo construído a partir de um assento velho, onde foram feitos vários orifícios para permitir que um gato procure por alimentos. Um tapete de sisal também foi fixado a um dos lados do assento para ser usado como poste de arranhar. (b) Brinquedo muito simples, elaborado de tubos de papelão e preso a uma pedra para mantê-lo fixo. © Ingrid Johnson

Objetos em formato de cubo são um dos mais difíceis para os gatos manipularem. Comece oferecendo cubos transparentes, para que os gatos possam ver os croquetes em seu interior, além de cheirá-los e ouvi-los. Esses brinquedos em forma de cubo podem ser usados sobre tapetes ou cobertores, cuja textura facilita a inversão (giro) do objeto. Se o brinquedo for colocado em pisos de madeira, os gatos simplesmente empurram o objeto e ficam frustrados a princípio; com o tempo, eles acabam aprendendo a usá-lo em qualquer superfície e, quando isso acontecer, o uso de cubos opacos será o próximo nível de dificuldade.  

O objetivo final é que cada gato em particular aprenda a usar o brinquedo mais difícil e complicado para ele. Os tutores não devem ter expectativas pouco realistas ou ficar desapontados; assim como nós, seres humanos, os gatos também têm habilidades diferentes. Contudo, quase todos os gatos podem adquirir a habilidade de usar brinquedos dispensadores de alimentos. A autora já teve casos de gatos deficientes (com apenas três membros), cegos, idosos ou com paralisia dos membros posteriores que aprenderam a obter alimentos com brinquedos. Não subestime a capacidade de um gato!

 

Construindo a base para o sucesso

Então, como os tutores respeitam a alimentação dos gatos a longo prazo usando brinquedos? Alguns tutores mais relutantes ou resistentes podem necessitar de uma motivação extra, lembrando-os de que tais brinquedos não são apenas um protocolo de alimentação, mas também oferecem um meio de enriquecimento ambiental. Quando os tutores dispõem de pouco tempo, é aconselhável que eles comprem muitos brinquedos e os deixem preparados com o alimento necessário por uma semana, armazenando-os em recipientes herméticos até usá-los. Isso pode fazer com que um novo brinquedo seja oferecido a um gato diariamente. Observe que, embora nenhum estudo clínico tenha sido realizado, a autora acredita que os gatos necessitem de uma variedade de brinquedos; para um gato, parece menos gratificante ou recompensador usar o mesmo brinquedo todos os dias.

 

Considerações finais

Os brinquedos dispensadores de alimentos oferecem aos gatos algo para fazer durante o dia e proporcionam um modo de alimentação diferente à sua disposição. Isso pode ser particularmente útil em um lar com vários gatos alimentados em horários fixos, uma prática que pode gerar brigas ou agressividade em virtude do aumento da competição entre eles e da falta de controle sobre o ambiente. Esses brinquedos também permitem que os gatos escolham quando e onde comer e, consequentemente, geram menos estresse, eliminando os “horários das refeições” — além disso, esses dispositivos podem ser um recurso eficaz no programa de perda de peso de gatos com sobrepeso.

 
 

Referências

  1. Neville P. An ethical viewpoint: the role of veterinarians and behaviourists in ensuring good husbandry for cats. In Proceedings. AAFP American Association of Feline Practitioners Congress 2002; 156-157.
  2. Beaver BVG. Feline behavior: A guide for veterinarians. 2nd ed. St. Louis: Saunders; 2003:219-221.
  3. www.fundamentallyfeline.com/implementing-foraging-as-a-feeding-protocol. Accessed September 25th 2018.
  4. www.fundamentallyfeline.com/so-you-think-you-have-a-master-forager. Accessed September 25th 2018.
  5. Johnson I, Delgado M. Food puzzles for cats. foodpuzzlesforcats.com. Accessed 12th January 2019.
Ingrid Johnson

Ingrid Johnson

Ingrid Johnson is a Certified Cat Behavior Consultant (CCBC) who owns and operates a business dedicated to providing in-home and phone consultations for clients Leia mais

Outros artigos nesta edição