Revista médica e científica internacional dedicada a profissionais e estudantes de medicina veterinária.
Veterinary Focus

Número da edição 32.1 Outros conteúdos científicos

Estágios de desenvolvimento felino

Publicado 08/06/2022

Escrito por Kersti Seksel

Disponível em Français , Deutsch , Italiano , Español e English

Compreender as diferentes fases do desenvolvimento de um gato filhote é fundamental para aconselhar os tutores sobre as melhores formas de interagir com o seu gato, como descreve Kersti Seksel.

É importante que os gatos filhotes tenham contato humano antes das sete semanas de idade

Pontos-chave

Os tutores de gatos filhotes precisam ser orientados sobre como podem otimizar a saúde física e mental de seu novo pet.


O ambiente uterino durante a gestação tem efeitos significativos no comportamento e desenvolvimento futuro de cada filhote, e uma dieta balanceada para a gata gestante é essencial.


O contato e manuseio humano são muito importantes em gatinhos antes das 9 semanas de idade, pois isso os ajuda a desenvolver comportamentos socialmente aceitáveis.


Os gatinhos criados sem a presença da mãe parecem ser mais propensos a desenvolver traços de medo e agressividade em relação a pessoas e outros gatos, e mostram menos aptidão para aprender.


Introdução

Os gatos às vezes se comportam de maneiras que os tutores podem achar difícil de entender e/ou gerenciar. Problemas podem ocorrer em qualquer estágio de desenvolvimento, e estes podem ter efeitos de longo prazo para um gatinho, especialmente quando se trata de ser um animal doméstico e parte da família; portanto, é essencial compreender os diferentes períodos de desenvolvimento dos felinos para ajudar os gatinhos a se tornarem grandes gatos e a se tornarem bons companheiros. O comportamento é determinado por vários fatores, incluindo a predisposição genética do gato, o genótipo do pai e da mãe, o que o gato aprendeu com as experiências passadas (positivas, negativas e neutras), bem como o ambiente em que se encontra em determinado momento. A epigenética também desempenha seu papel.

Saber o que fazer para ajudar os gatinhos a se tornarem gatos com bom comportamento é importante e começa com o criador. Decidir qual fêmea deve acasalar com qual macho, e quando isso deve ocorrer é apenas um aspecto que afeta o que o futuro pode reservar. Compreender como lidar com a gata antes, durante e depois da gestação, como ajudar a aumentar a resiliência dos gatinhos e como criá-los antes de irem para sua nova casa são apenas algumas das coisas que precisam ser consideradas, e o Médico-Veterinário deve estar disposto e ser capaz de aconselhar sobre todos esses aspectos. Tão importante quanto isso, os tutores de um novo gatinho precisam ser orientados sobre a melhor forma de cuidar de sua saúde física e mental, pois ambos os fatores são importantes para que os gatos sejam bons companheiros. Ter expectativas realistas sobre o que um gatinho pode e deve fazer a qualquer momento ajuda a criar um forte vínculo entre o gato e seu tutor.

O desenvolvimento de um gato filhote, desde um recém-nascido totalmente dependente com capacidade limitada de perceber e responder a estímulos, para um ser independente com uma fisiologia totalmente desenvolvida que é capaz de cuidar de si mesmo, caçar e interagir com membros de sua própria espécie – bem como como outras espécies – acontece rapidamente. No entanto, o processo é complexo e delicado, e é afetado por muitos fatores. Vários períodos de desenvolvimento diferentes foram identificados; estes são os períodos pré-natal, neonatal, de transição, socialização, juvenil, adulto e sênior, e cada um tem influência no comportamento de um gato (Tabela 1). À medida que o gatinho cresce, todos os vários sistemas do corpo, incluindo os sistemas musculoesquelético e neurológico, bem como o lado psicológico (emocional) das coisas, devem se desenvolver na sequência correta para que o gatinho se desenvolva neurotipicamente (ou seja, normalmente). Muito foco vem sendo dado ao período de socialização, pois é quando os gatinhos são desmamados, podem ser realojados para novos lares e podem ser castrados, ou seja, há muitos fatores de estresse para o animal durante um período muito sensível de desenvolvimento. No entanto, este não é o único período que precisa ser considerado. Também deve-se notar que os períodos de desenvolvimento não são rigidamente fixos e variam de acordo com cada gatinho – e, além disso, diferentes autoridades às vezes usam prazos diferentes para cada período.

Tabela 1. As diferentes fases da vida de um gato e as idades aproximadas.

Estágio de vida Período típico
Pré-natal dentro do útero
Neonatal 0 a 2semanas
Transição 2 a 3 semanas
Socialização 3 a aproximadamente 7-9 semanas
Juvenil ~ 9 semanas até 4-10 meses
Adulto/sênior
Da puberdade em diante

 

Período pré-natal

O período pré-natal, ou seja, da concepção até o nascimento, normalmente aos 63 dias, é mais significativo do que parece em termos das características futuras de um gato. As diferentes fases do desenvolvimento embrionário, que começa com a fertilização de um óvulo e leva à implantação na parede do útero (aproximadamente duas semanas após a fertilização), envolvem uma quantidade enorme de mudanças. Como as gatas são multíparas, esse processo é repetido por múltiplos zigotos-mórulas, possivelmente a partir de acasalamentos com machos diferentes. Uma vez que a gestação é estabelecida, o ambiente uterino também tem efeitos extensivos sobre o comportamento futuro e o desenvolvimento de cada filhote. Uma pesquisa mostrou que filhotes de gatas alimentadas com uma dieta pobre em proteínas durante o final da gestação e durante toda a lactação foram mais emocionais e se movem e vocalizam com mais frequência do que filhotes de gatas alimentadas com uma dieta balanceada e completa 1. Esses gatinhos também perdiam o equilíbrio com mais frequência e tinham pouca ligação social e menos interações com a mãe. Em outro estudo, quando as gatas foram restritas a ingerir apenas metade de suas necessidades nutricionais, os filhotes demonstraram déficits de crescimento em algumas regiões do cérebro (por exemplo, cérebro, cerebelo e tronco cerebral) 2. Essas áreas iniciam e coordenam movimentos e ações, e os atrasos eram aparentes em muitas áreas do desenvolvimento, incluindo sucção, abertura dos olhos, engatinhar, postura, andar, correr, brincar e escalar. No entanto, muitas pesquisas sobre o impacto da dieta na epigenética ainda precisam ser feitas. O microbioma felino também é uma área que está sendo cada vez mais investigada, e seus efeitos no desenvolvimento dos filhotes ainda não são totalmente compreendidos.

Período neonatal

O período neonatal começa ao nascimento e dura até aproximadamente duas semanas de idade, embora alguns autores considerem que o período dura apenas cerca de 7 dias. No entanto, como a gata inicia a amamentação e a eliminação (sendo necessária a estimulação perineal para micção e defecação) durante as primeiras 2 semanas de vida, é provável que o período neonatal dure até este ponto. Um bom comportamento materno é essencial para o desenvolvimento saudável dos filhotes (Figura 1). Como os filhotes nascem cegos e praticamente surdos, com capacidade limitada de se mover e regular a temperatura corporal, eles dependem totalmente da mãe para sobreviver.

Comer e dormir são as atividades mais significativas para os gatos filhotes nesta fase, e eles passarão (em média) cerca de 4 horas por dia mamando na primeira semana de vida. Como os gatinhos nascem com os olhos fechados (embora muitos reflexos visuais, como o reflexo de piscar, possam estar presentes antes do nascimento 3) e com baixa capacidade auditiva, eles dependem de seu olfato, tato e capacidade de detectar calor. Como os gatinhos recém-nascidos não pode regular a temperatura corporal, a capacidade de detectar um gradiente térmico é importante para a sobrevivência, enquanto a localização das mamas da mãe é feita usando o olfato. No entanto, embora os gatinhos não vocalizem muito, eles ronronam ao mamar e choram em resposta ao desconforto físico. Como eles nascem neurologicamente imaturos, o movimento é limitado no nascimento e suas pernas não são fortes o suficiente para suportar seu peso corporal até a segunda semana de vida. No entanto, os gatinhos são capazes de se reposicionar se forem rolados de costas, pois essa capacidade de endireitar se desenvolve antes do nascimento.

Gatos filhotes recém-nascidos são totalmente dependentes de sua mãe para sua sobrevivência

Figura 1. Os gatos filhotes recém-nascidos são totalmente dependentes da mãe para a sua sobrevivência, por isso um bom comportamento materno é essencial para o desenvolvimento saudável dos gatinhos.

Créditos: Shutterstock

Kersti Seksel

A maioria dos Médicos-Veterinários comportamentalistas agora acredita que as aulas de socialização para gatos filhotes (quando ensinadas corretamente) são benéficas, e esse conceito está incluído nas diretrizes de comportamento felino da Associação Americana de Profissionais de Felinos (American Association of Feline Practitioners).

Kersti Seksel

Período de transição

Durante este período (2-3 semanas de idade) ocorrem rápidas mudanças físicas e comportamentais, e os filhotes desenvolvem um grau de independência da mãe. Os gatinhos podem engatinhar e andar, embora de forma desajeitada, e os olhos e ouvidos agora são funcionais. Os dentes decíduos erupcionam, embora os filhotes geralmente não comecem a ingerir sólidos até o final do período de transição, mas seu olfato estará totalmente desenvolvido por volta das 3 semanas de idade.

É importante ressaltar que foi reportado que os gatos filhotes que foram separados de sua mãe e criados à mão a partir de 2 semanas de idade pareciam ser mais medrosos e agressivos com pessoas e outros gatos 4,5,6. Eles também se mostraram mais sensíveis a novos estímulos, sua capacidade de aprendizado foi menor e possuiam menos habilidades sociais e parentais. Esses efeitos podem ser atenuados, pelo menos em parte, se os gatinhos que forem criados sem a presença da mãe estejam em uma casa com outros gatos neurotípicos, para que possam aprender pela observação de outros felinos.

Período de socialização

A socialização está fortemente ligada ao desenvolvimento neurológico e físico do filhote, mas o processo não se limita apenas à infância, pois continua ao longo da vida de um gato. A forma como um gatinho é socializado pode desempenhar um papel na forma como ele interage com novos indivíduos quando for um gato adulto. Acredita-se que o período de socialização dure aproximadamente de 3 a 7 semanas de idade, embora alguns autores sugiram que possa durar até 9 semanas de idade. Isso forma uma distinção importante dos cães, pois o período de socialização do gato parece terminar mais cedo, mas como as brincadeiras sociais dos gatinhos atingem o pico entre 9 e 14 semanas de idade, foi sugerido que isso nem sempre pode ser o caso. A duração deste período também varia de acordo com o indivíduo, a raça e os fatores experienciais. Durante este período o gato filhote torna-se mais independente, e é também normalmente o período que vai para a sua nova casa.

Esta fase está ligada ao desenvolvimento de vários sistemas do corpo. Com 4 semanas de idade, a audição dos gatos filhotes já é totalmente funcional (eles podem reconhecer e diferenciar os chamados de sua mãe quando as gravações dos chamados e miados são reproduzidas, contra os mesmos sons feitos por outros gatos 7), e a percepção de profundidade está presente, embora a acuidade visual continue a melhorar até cerca de 16 semanas de idade. A capacidade de se reposicionar do ar é equivalente à de um gato adulto quando o filhote tem 6 semanas de idade, e com 7 semanas ele pode regular a temperatura corporal tão bem quanto um gato adulto. Por volta de 5-6 semanas de idade, o gato filhote tem controle voluntário total da eliminação, e pode começar a cavar nos substratos, seguido de cobertura de fezes e urina. O reflexo de Flehmen começa a aparecer por volta das 5 semanas e é comparável aos adultos por volta das 7 semanas de idade.

Também por 6-7 semanas de idade a locomoção semelhante a de um adulto está presente, e durante este período a brincadeira se desenvolve, com vários tipos reconhecidos (brincadeira social, com objetos e brincadeiras com locomoção). A brincadeira social começa por volta das 4 semanas de idade e atinge o pico por volta das 9-14 semanas de idade. As brincadeiras com objetos e locomoção começa às 6 semanas de idade e atinge o pico por volta das 16 semanas, com a coordenação visão-ação (olhos-patas) se desenvolvendo a partir das 6 semanas (Figura 2). Após as 14 semanas de idade, a brincadeira com medo começa, e os gatinhos aprendem a brincar de luta, ocorrendo a luta social. Sabe-se que gatinhos de ninhadas com um só indivíduo brincam mais com objetos e com suas mães em comparação com gatinhos em ninhadas mais numerosas 8.

Brincar é uma parte essencial do desenvolvimento de um gato filhote

Figura 2. Brincar é uma parte essencial do desenvolvimento de um gato filhote e ajudará a melhorar a coordenação visão-ação.

Créditos: Shutterstock

Os gatinhos estarão comendo comida sólida neste momento, e geralmente comem o mesmo alimento que a gata consome se tiverem a chance. As preferências de gosto também são estabelecidas durante este período. O momento do desmame mostrou afetar o comportamento dos gatinhos 9,10,11,12, com indivíduos desmamados precocemente (a partir de 4 semanas de idade) apresentando comportamento predatório mais cedo do que o normal, enquanto gatinhos desmamados tardiamente (a partir de 9 semanas de idade) apresentam comportamento predatório retardado e são menos propensos a matar presas.

A partir de cerca de 3 semanas de idade, a gata mãe começará a ensinar seus gatinhos os princípios da predação 13, e quando os filhotes têm cerca de 5 semanas de idade, o comportamento básico, independente e predatório é visto. Os gatinhos são incapazes de aprender a responder a sinais puramente visuais até pelo menos 1 mês de idade, mas por volta de 6-8 semanas eles começam a reagir a ameaças visuais e olfativas como gatos adultos fariam.

Reações de medo a estímulos ameaçadores podem começar a ser exibidas por volta das 6 semanas de idade. As diferenças individuais de comportamento começam durante o segundo mês de vida, devido a influências genéticas e diferentes ambientes iniciais. O aumento do manuseio (estresse leve) parece acelerar o desenvolvimento. O momento mais receptivo para socializar os gatinhos com humanos e outras espécies é entre 2 e 9 semanas de idade, e quanto mais manuseados pelas pessoas, menos provável é que o medo dos humanos se desenvolva. Parece que, se os filhotes forem se tornarem pets sociais, é importante ter contato humano antes das sete semanas de idade para permitir que desenvolvam comportamentos socialmente aceitáveis 14. O manuseio regular e suave e a contenção de rotina muito leve (pegar e segurar) devem, portanto, ser praticados antes dos 3 meses de idade, e isso deve preferencialmente começar o mais cedo possível, mesmo logo após o nascimento (Figura 3). Também é importante que o filhote seja exposto a vários estímulos novos de maneira não ameaçadora durante este período sensível de desenvolvimento 15. Este é, portanto, o melhor momento para iniciar as aulas de “jardim de infância dos gatinhos” (Quadro 1). A maioria dos Médicos-Veterinários comportamentalistas agora acredita que as aulas de socialização de gatos filhotes (quando ensinadas corretamente) são benéficas, e esse conceito está incluído nas diretrizes de comportamento felino da AAFP - American Association of Feline Practitioners (Associação Americana de Profissionais de Felinos) 16.

Quadro 1. Dicas para aulas de socialização bem-sucedidas para gatos filhotes.

• Execute a aula inicial sem a presença dos filhotes para permitir que os tutores se concentrem nos tópicos abordados.
• A primeira aula deve abranger os cuidados com o gatinho, discutir o comportamento normal do gato e ajudar os tutores a projetar um ambiente que atenda a todas as necessidades do gato, evitando o desenvolvimento de problemas comportamentais.
• As aulas podem precisar ser realizadas em um período de tempo bastante curto, pois o período de socialização pode terminar por volta das 9 semanas de idade – por exemplo, podem ser necessárias ter três aulas em uma mesma semana.
• Os gatinhos do curso devem ter entre 8 e 13 semanas de idade, ser livres de parasitas externos e qualquer evidência de doença potencialmente infecciosa e ter recebido pelo menos uma dose de vacina antes de iniciar o programa. O momento exato dependerá, obviamente, do calendário de vacinação e de quaisquer restrições sobre quando um filhote pode ser encaminhado para o novo lar.
• Não é recomendado que filhotes com mais de 13 semanas comecem as aulas, mas os tutores de gatos mais velhos podem ser incentivados a participar sem o gato.
• Três filhotes é o número ideal para uma aula; seis é o máximo.
• Toda a família deve ser incentivada a participar, com todas as crianças menores de 5 anos acompanhadas por um adulto.
• A presença de dois instrutores facilita a administração das aulas, embora uma única pessoa geralmente possa gerenciar a aula, pois os gatos filhotes não interagem tanto quanto os cães filhotes.
• O espaço disponível determinará o número de gatinhos e pessoas que poderão ser acomodados; todos devem estar sentados e deve haver espaço para equipamentos como arranhadores, caixas de areia, brinquedos e locais para descanso (p. ex. cestas, camas). A sala também precisa ser à prova de fugas.
• Forneça folhetos para que os tutores possam revisar as informações depois em casa.
É importante que os gatos filhotes tenham contato humano antes das sete semanas de idade

Figura 3. É importante que os gatos filhotes tenham contato humano antes das sete semanas de idade para que possam desenvolver comportamentos socialmente aceitáveis, portanto, o manuseio regular e suave deve começar o mais cedo possível, mesmo logo após o nascimento.

Créditos: Shutterstock

Período juvenil

Considera-se que o período juvenil começa por volta das 9 semanas de idade e dura até à maturidade sexual (que ocorre entre os 4-10 meses de idade). Embora os padrões comportamentais básicos não mudem durante esse período, há melhorias graduais nas habilidades motoras e na coordenação, e os gatinhos se tornam cada vez mais independentes. Este período está associado ao fato de os filhotes ficarem prontos para se dispersar e também se tornarem totalmente independentes para suas necessidades alimentares. As brincadeiras e a exploração de objetos inanimados e a brincadeira de locomoção começarão a aumentar por volta de 7 a 8 semanas de idade, mas atingirão o pico em aproximadamente 18 semanas. A brincadeira social é mais prevalente por volta das 4-14 semanas de idade e começará a assumir aspectos de predação no terceiro mês de vida. A brincadeira com objetos pode ser social ou solitária e pode consistir em toques com as patas, perseguições, saltos e mordidas nos objetos e prendê-los com as patas. Esse tipo de brincadeira obviamente simula uma variedade de aspectos da sequência predatória.

Kersti Seksel

Alguns gatos podem nunca ser muito confiantes com humanos, independentemente de quanta socialização recebem. No entanto, o manuseio regular desde o nascimento até as 7-9 semanas de idade pode aumentar a probabilidade de um gato ser bem socializado, e acredita-se que até 15 minutos por dia sejam benéficos.

Kersti Seksel

Período adulto

O período juvenil é considerado encerrado com o início da puberdade – quando a reprodução sexuada é possível – e o início do período adulto, que se estende até o final da vida. As gatas fêmeas podem mostrar seus primeiros sinais de estro entre 3,5 e 12 meses de idade, embora mais tipicamente entre 5 a 9 meses, e vários fatores influenciam este momento. As raças orientais costumam ser sexualmente receptivas em termos de idade antes de outras raças, e os primeiros sinais de estro podem ser influenciados por fatores ambientais, como nascimento no início da primavera, exposição a gatos maduros, presença de outras gatas no estro ou períodos de aumento das horas de luz. No entanto, também é influenciado pelo peso corporal da gata e pela época de nascimento, e também pode variar dependendo se o indivíduo nasceu no hemisfério norte ou sul. As gatas são poliéstricas sazonais - de modo que durante a época de reprodução ocorrem vários períodos de receptividade sexual - e tem a ovulação induzidas, ou seja, não ovulam a menos que acasaladas, de modo que uma gata pode acasalar com vários machos durante esse período. O período juvenil dos gatos machos termina quando eles começam a produzir espermatozoides viáveis por volta dos 8-12 meses de idade.

A maturidade sexual não é equivalente à maturidade social. Este termo refere-se ao desenvolvimento do comportamento social adulto e interações com outros gatos, juntamente com o comportamento de defesa territorial. Acredita-se que ocorra entre 36 e 48 meses de idade, que é mais do que os cães levam para atingir a maturidade social, pois acredita-se que os gatos tenham que se desenvolver fisicamente e mentalmente o suficiente para lidar com uma sociedade adulta.

Finalmente, mais atenção está sendo dada recentemente ao período “sênior” da vida de um gato. Embora relativamente pouca pesquisa tenha sido realizada até o momento sobre os gatos sênior em relação às mudanças comportamentais associadas ao envelhecimento, elas são bem reconhecidas na prática. Várias alterações comportamentais foram reconhecidas no gato idoso, e a capacidade mental de um gato parece diminuir à medida que envelhece, e muitos estudos estão sendo realizados sobre a cognição felina e o declínio cognitivo em gatos idosos.

Personalidade

A maneira como um indivíduo tende a exibir padrões de comportamento, pensamentos e sentimentos característicos é descrita como personalidade. A capacidade de um gato de socializar com humanos parece ser devido à sua personalidade herdada (Figura 4). Algumas pesquisas mostraram que existem características geneticamente “amigáveis” (confiantes) e geneticamente “não amigáveis” (tímidas), e essa parte da personalidade é influenciada pelo pai 17. Assim, alguns gatos podem nunca ser muito confiantes com humanos, independentemente de quanta socialização recebem. No entanto, como observado anteriormente, o manuseio regular desde o nascimento até as 7-9 semanas de idade pode aumentar a probabilidade de um gato ser bem socializado, e acredita-se que até 15 minutos por dia sejam benéficos, sendo esse efeito mais profundo para gatinhos tímidos. A variabilidade na personalidade dos gatos tem implicações importantes sobre se as expectativas de seu tutor serão atendidas e como será a relação do tutor com seu gato. Gatos confiantes e barulhentos não são valorizados por todos, enquanto alguns tutores acham difícil lidar com um gato tímido que não é amigável com as pessoas.

A personalidade de um gato tem implicações importantes

Figura 4. A personalidade de um gato tem implicações importantes sobre o quão bem ele vai satisfazer as expectativas do tutor para o relacionamento entre tutor e gato.

Créditos: Shutterstock

Considerações finais

Compreender os períodos de desenvolvimento dos felinos nos ajuda a entender melhor seu comportamento e por que eles fazem o que fazem. Isso é importante por várias razões, incluindo o fato de que ajuda os criadores a selecionar indivíduos que produzirão gatos que serão os melhores companheiros, e porque ajuda a consolidar o vínculo entre gatos de companhia e seus tutores (e, portanto, diminuir o risco de abandono e eutanásia devido a comportamentos indesejados). Os Médicos-Veterinários podem e devem dar aos tutores os melhores conselhos possíveis sobre gatos e como eles se desenvolvem, para que o bem-estar do gatinho seja ótimo; dessa forma o futuro dos gatos como companheiros está garantido.

Leitura adicional

  • Overall KL. Clinical Behavioural Medicine for Small Animals. St Louis, MI; Mosby, 2013.
  • Seksel K. Training Your Cat. Melbourne; Hyland House, 2001.
  • Landsberg G, Hunthausen W, Ackerman L. Handbook of Behaviour Problems of the Dog and Cat. Oxford; Butterworth-Heinemann, 2012.
  • Beaver B. Feline Behavior; A Guide for Veterinarians (2nd ed.) St Louis, MI; Saunders Elsevier, 2003.
  • Bradshaw, JWS. The Behaviour of the Domestic Cat. London; CAB International, 2012.

Referências

  1. Gallo PV, Werboff J, Knox K. Protein restriction during gestation and lactation; development of attachment behavior in cats. Behav. Neural Biol. 1980;29:216-223.

  2. Smith B, Jensen G. Brain development in the feline. Nutr. Rep. Int. 1997;16:487.

  3. Beaver B. Reflex development in the kitten. Appl. Anim. Ethol. 1978;4:93. 

  4. Mellen J. Effects of early rearing experience on subsequent adult sexual behavior using domestic cats (Felis catus) as a model for exotic small felids. Zoo. Biol. 1992;11:17-32. 

  5. Seitz PFD. Infantile experience and adult behavior in animal subjects; II. Age of separation from the mother and adult behavior in the cat. Psychosom. Med. 1959;21:353-378. 

  6. Chon E. The effects of queen (Felis sylvestris)-rearing versus hand-rearing on feline aggression and other problematic behaviors. In; Mills D, Levine E (eds) Current Issues and Research in Veterinary Behavioral Medicine. West Lafayette, Ind. Purdue University Press, 2005;201-202.

  7. Szenczi P, Banszegi O, Urrutia A, et al. Mother-offspring recognition in the domestic cat; kittens recognize their own mother’s call. Develop. Psychobiol. 2016;58:568-577.

  8. Mendl M. The effects of litter-size variation on the development of play behaviour in the domestic cat; litters of one and two. Anim. Behav. 1988;36:20-34.

  9. Barrett P, Bateson P. The development of play in cats. Behaviour 1978;66:106-120.

  10. Bateson P, Mendl M, Feaver J. Play in the domestic cat is enhanced by rationing of the mother during lactation. Anim. Behav. 1990;40:514-525.

  11. Martin P, Bateson P. The influence of experimentally manipulating a component of weaning on the development of play in domestic cats. Anim. Behav. 1985;33:502-510.

  12. Tan PL, Counsilman JJ. The influence of weaning on prey-catching behaviour in kittens. Zeit Tierpsychol. 1985;70:148-164.

  13. Caro TM. Effects of the mother, object play, and adult experience on predation in cats. Behav. Neural Biol. 1980;29:29-51.

  14. Collard RR. Fear of strangers and play behavior in kittens varied with social experience. Child Develop. 1967;38:877-891.

  15. Hudson HL, Eckerman CO. Familiar social and nonsocial stimuli and the kitten’s response to a strange environment. Develop. Psychobiol. 1971;4:71-89.

  16. Quimby J, Gowland S, Carney HC, et al. AAHA/AAFP Feline Life Stage Guidelines J. Feline Med. Surg. 2021;23:211-233.

  17. McCune S. The impact of paternity and early socialisation on the development of cats’ behaviour to people and novel objects. Appl. Anim. Behav. Sci. 1995;45:111-126.

Kersti Seksel

Kersti Seksel

Depois da graduação na Universidade de Sydney, a Dr. Seksel trabalhou no Reino Unido antes de fazer um mestrado em Ciências do Comportamento e um Mestrado em Artes. Leia mais

Outros artigos nesta edição

Número da edição 32.1 Publicado 26/08/2022

Como prevenir problemas de comportamento em cães filhotes

Muitos tutores escolhem seu filhote pelos motivos errados, mas Jon Bowen identifica alguns fatores-chave que podem ajudar um filhote a se tornar um ótimo membro da família.

por Jon Bowen

Número da edição 32.1 Publicado 26/08/2022

Principais desafios da profissão veterinária

O mundo traz desafios para a profissão veterinária diariamente, e pode ajudar saber que o que vivenciamos como indivíduos é compartilhado por nossos colegas, onde quer que estejam – e entendendo os desafios enfrentados por outras partes interessadas, podemos trabalhar juntos em uma forma que seja mutuamente benéfica.

por Cara McNeill e Ewan McNeill

Número da edição 32.1 Publicado 10/08/2022

Comportamento materno em cadelas

O comportamento materno não só desempenha um papel importante na sobrevivência dos filhotes durante as primeiras semanas de vida, mas também pode ter um efeito duradouro no desenvolvimento cognitivo desses filhotes. O presente artigo oferece algumas dicas e pistas que podem ajudar o clínico ao lidar com filhotes recém-nascidos.

por

Número da edição 32.1 Publicado 09/08/2022

Consultas bem-sucedidas de filhotes felinos

O êxito das visitas de filhotes felinos à clínica veterinária irá preparar o paciente para uma vida inteira de cuidados veterinários, conforme explica Elizabeth O'Brien.

por Elizabeth O’Brien