Revista médica e científica internacional dedicada a profissionais e estudantes de medicina veterinária.
Veterinary Focus

Número da edição 32.1 Outros conteúdos científicos

DHA for puppies

Publicado 15/06/2022

Escrito por Russ Kelley

Disponível em Français , Deutsch , Italiano , Español e English

How important are dietary long-chain polyunsaturated fatty acids for healthy development? Russ Kelley describes some recent work that suggests they are a vital part of a puppy’s nutritional requirements. 

Regular training is a vital part of a puppy’s upbringing

Pontos-chave

Uma dieta enriquecida com ácido docosahexaenóico (DHA) antes do nascimento ou durante o período neonatal pode ajudar a promover a aprendizagem e a memória em filhotes.


Filhotes nascidos de mães alimentadas com uma dieta rica em DHA e desmamados com uma dieta equivalente são mais propensos a ter sucesso em testes de função cognitiva do que filhotes criados com dietas baixas em DHA.


Introdução

Os ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa desempenham papéis vitais no desenvolvimento e na fisiologia dos cães. Em particular, altas concentrações ácido docosahexaenóico (DHA), derivado do do ácido graxo ômega-3, são encontradas no tecido da retina e do cérebro, e são conhecidas por se acumularem rapidamente nesses tecidos durante o último terço da gestação e os primeiros meses de vida neonatal, período que corresponde ao crescimento máximo do cérebro em mamíferos. Essa deposição precoce de DHA parece ser necessária para o desenvolvimento neural e visual normal 1, uma vez que níveis de DHA abaixo dos recomendados em animais jovens tem sido associado a deficiências na função cognitiva e visual, incluindo capacidade reduzida de aprendizado, memória prejudicada, eletrorretinogramas anormais e visão prejudicada 2. Foi proposto que o enriquecimento dietético com DHA antes do nascimento ou durante o período neonatal também pode ser útil na promoção de certos tipos de aprendizagem e memória 3.

Russ Kelley

Níveis abaixo do ideal de ácido docosahexaenóico em animais jovens têm sido associados a função cognitiva e visual prejudicada, incluindo capacidade de aprendizado reduzida, memória diminuída e visão comprometida.

Russ Kelley

DHA - fontes e função

Os ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa são fornecidos ao feto em desenvolvimento através da placenta e ao recém-nascido através do leite da mãe. O ácido alfa-linolênico (ALA) é o precursor do DHA, mas a conversão de ALA em DHA é ineficiente e a biossíntese materna de DHA pode não ser suficiente para suprir idealmente as reservas maternas e para o transporte para o feto em desenvolvimento. Estudos sugerem que a capacidade do cão de produzir DHA a partir de ALA ocorre principalmente durante as primeiras semanas de vida, e não se sabe se as quantidades produzidas são suficientes para sustentar o desenvolvimento neurológico ideal 4

. O fornecimento de DHA na dieta da mãe pode ser a maneira mais eficiente de fornecer o nutriente para o feto em desenvolvimento e filhotes recém-nascidos, e incluir DHA (em vez de ALA) na dieta pós-desmame pode ser a maneira mais eficiente de garantir que o organismo receba as quantidades necessárias para o desenvolvimento neurológico contínuo.

Até agora, os mecanismos subjacentes envolvidos no aprimoramento cognitivo provocado pela suplementação de DHA não são totalmente compreendidos. No entanto, o DHA é conhecido por desempenhar um papel em vários estágios do desenvolvimento neuronal tanto no feto quanto no neonato, e há evidências de que ele afeta a fluidez da membrana sináptica, modifica a função enzimática e aumenta a produção ou expressão de receptores e compostos dopaminérgicos. Tais influências podem levar a melhora do aprendizado e da memória, pois os sistemas dopaminérgicos estão especificamente envolvidos na regulação dos processos comportamentais como atividade motora, emocionalidade e orientação espacial 5

.

Pesquisas recentes

O Pet Health and Nutrition Center de Lewisburg completou alguns estudos controlados para avaliar os efeitos da suplementação de DHA para a mãe (fetal-neonatal) e pós-desmame na aprendizagem e memória em filhotes. Três estudos foram realizados:

  1. Um estudo que envolveu mães que foram alimentadas com dietas com baixo ou alto DHA durante a gestação e lactação, e seus filhotes (que foram desmamados com a mesma dieta) foram então testados quanto ao aprendizado de discriminação espacial e visual entre 7 e 9 semanas de idade.

  2. Um estudo em que ambas as mães e seus filhotes foram alimentados com dietas com níveis baixos, médios ou altos de DHA, com os filhotes testados para discriminação visual e aprendizado espacial entre 9 e 14 semanas de idade com um labirinto em T.

  3. Um estudo em que os filhotes foram alimentados com uma dieta com baixo ou alto DHA desde o desmame até as 25 semanas de idade, com testes a partir das 15 semanas de idade para aprendizado espacial e memória com um labirinto radial.

Todas as dietas do estudo foram formuladas para fornecer nutrição completa e balanceada para todas as fases da vida de acordo com os perfis nutricionais da AAFCO* e diferiram apenas na composição da mistura de óleos utilizada, conforme mostrado na Tabela 1.

*Association of American Feed Control Officials

Tabela 1. Composição das dietas do estudo.

Nutriente Quantidade (como alimentado)
Proteína % 31-32
Extrato etéreo % 20,1-20,8
Umidade % 7-8
Cálcio % 1,2-1,3
Fósforo % 1,0-1,1
Zinco (PPM) 230-245
Vit A (UI) 27-28
Vit E (UI) 375-425
Ácido linoleico % 4,0-4,5
Relação n6:n3 5:1-10:1
Grupos tratados DHA (%) (com base na matéria seca)
Estudo 1
Baixo DHA 0,01
Alto DHA 0,18
Estudo 2
Baixo DHA 0,015
Médio DHA 0,077
Alto DHA 0,135
Estudo 3
Baixo DHA 0,015
Alto DHA 0,135

 

Estudo 1

Oito filhotes nascidos de mães alimentadas com uma dieta enriquecida com DHA, juntamente com oito filhotes nascidos de mães alimentadas com dieta controle não enriquecida (Tabela 1) foram testados para avaliar o aprendizado espacial (direção) e a discriminação visual. Três portas retangulares posicionadas ao longo de uma parede branca foram marcadas com um símbolo preto (círculo, quadrado ou triângulo). Os filhotes receberam aleatoriamente uma porta e um símbolo visual e foram treinados para se aproximar da porta/símbolo para obter uma recompensa alimentar. Uma vez treinado, a memória espacial (avaliando como um filhote localizou sua porta atribuída) e a discriminação visual (por como ele identificou seu símbolo atribuído) foram avaliadas.

Após o treinamento, todos os 16 filhotes foram capazes de selecionar corretamente a porta e o símbolo atribuídos. Durante o período de teste espacial, todos os filhotes de ambos os grupos mostraram uma taxa de sucesso de pelo menos 90% em se aproximar da porta designada em 120 segundos. No entanto, quando testados para discriminação visual, os filhotes nascidos de mães alimentadas com a dieta rica em DHA tiveram um desempenho melhor do que os filhotes nascidos de mães alimentadas com a dieta com baixo DHA, e os filhotes do primeiro grupo tiveram um desempenho geral melhor do que os do último grupo.

Estudo 2

28 fêmeas da raça Beagle foram aleatoriamente designadas para uma das três dietas (com baixo, médio ou alto teor de DHA; (Tabela 1) e alimentadas ad libitum durante toda a gestação e lactação, com seus filhotes desmamados com a mesma dieta da mãe para o período de estudo (Figura 1). Um total de 60 filhotes das ninhadas foram selecionados para avaliar a função cognitiva (discriminação visual e aprendizagem espacial) em um labirinto em T entre 9 e 15 semanas de idade (Figura 2). Os filhotes foram treinados para associar um símbolo (um quadrado ou círculo) com uma recompensa alimentar localizada em um braço do labirinto e uma pista olfativa (mas sem alimento) no outro braço. Iniciava-se então uma “fase de tarefa de reversão”, na qual a localização associada ao símbolo do filhote era trocada (por exemplo, se um círculo originalmente indicava que a comida estava no braço direito do labirinto, agora indicava que a comida estava no braço esquerdo).

Os filhotes do grupo que consumiu a dieta com alto DHA superaram consistentemente os do grupo que consumiu a dieta com baixo DHA no teste. O desempenho dos filhotes do grupo que consumiu a dieta com médio teor de DHA foi melhor do que dos filhotes do grupo com baixo DHA e pior do que do grupo que consumiu a dieta com alto DHA; embora essas diferenças não tenham sido estatisticamente significativas, a tendência sugere que o aprendizado em resposta à suplementação dietética com DHA é dose-dependente.

Beagle puppies were selected to assess cognitive function

Figura 1. Filhotes de Beagle foram selecionados para avaliar a função cognitiva (discriminação visual e aprendizagem espacial) em um labirinto em T entre 9 e 15 semanas de idade.

Créditos: Russ Kelley/Royal Canin

The T-maze used in Study 2

Figura 2. O labirinto em T usado no Estudo 2. Os filhotes foram treinados para associar um símbolo (um quadrado ou círculo) a uma recompensa alimentar localizada em um braço do labirinto e uma sugestão olfativa (mas sem alimento) no outro braço .

Créditos: Redrawn by Sandrine Fontègne

Estudo 3

Este estudo envolveu filhotes nascidos de mães alimentadas com uma dieta não suplementada durante toda a gestação e lactação. Os filhotes foram aleatoriamente divididos entre uma dieta com baixo ou alto DHA durante o desmame (Tabela 1), e o teste de função cognitiva foi realizado usando um labirinto radial de 8 braços com portas numeradas no final de cada braço que podiam ser abertas ou fechadas independentemente (Figura 3). Este estudo foi projetado para testar a orientação espacial e a memória de curto, médio e longo prazo – também conhecidos como efeitos de recência (memória de curto prazo) e efeitos de primazia (memória de longo prazo). O teste do labirinto começou às 15 semanas de idade; novamente, o filhote teve que entrar em um braço de labirinto para recuperar uma recompensa alimentar, mas havia quatro fases de dificuldade crescente para este estudo. Os dados foram inicialmente analisados para levar em conta os principais efeitos de replicação, gênero, dieta e as interações associadas, mas os dois primeiros fatores não tiveram efeitos significativos e foram posteriormente removidos do modelo, com a análise final incluindo apenas a dieta.

Todos os filhotes completaram com sucesso as duas primeiras fases, embora tenha sido observado que os filhotes alimentados com a dieta rica em DHA precisaram de menos sessões de treinamento do que os filhotes do outro grupo para a fase 2 (embora as diferenças não tenham sido estatisticamente significativas entre os dois grupos).

Mais filhotes alimentados com a dieta rica em DHA foram bem-sucedidos no teste de memória de longo prazo (efeito primazia) quando comparados com filhotes alimentados com a dieta com baixo teor de DHA, e este também foi o caso para testes de memória de médio e curto prazo, embora estes diferenças não foram estatisticamente significativas. Quando as taxas de “sucesso” e “erro” foram analisadas, os filhotes alimentados com a dieta rica em DHA cometeram significativamente menos erros de escolha quando desafiados com três tipos de erros potenciais simultaneamente.

The radial 8-arm maze used in Study 3

Figura 3. O labirinto radial de 8 braços usado no Estudo 3. As portas instaladas na extremidade de cada braço podem ser abertas ou fechadas independentemente para oferecer diferentes opções ao filhote.

Créditos: Redrawn by Sandrine Fontègne

Discussão

Os filhotes normalmente vão para seus lares permanentes logo após o desmame, e a maioria dos tutores tem pouca ou nenhuma oportunidade de influenciar o status de DHA da mãe ou seus filhotes antes da aquisição. Da mesma forma, quando os filhotes nascem de mães abandonadas ou desnutridas (por exemplo, em situações de abrigo e resgate), o estado nutricional da mãe é muitas vezes desconhecido ou deficiente. Portanto, uma questão importante, mas não respondida, é se oferecer uma dieta enriquecida com DHA após o período de influência materna ainda pode beneficiar a função cognitiva e o aprendizado. Esses três estudos oferecem evidências de que filhotes que recebem níveis adequados de DHA têm desempenho superior em testes cognitivos. Embora desejável, a suplementação materna durante a gestação e lactação pode não ser crucial para melhorar o status de DHA em filhotes recém-nascidos. No entanto, fornecer aos filhotes em crescimento uma dieta enriquecida com DHA após o desmame ainda pode proporcionar benefícios cognitivos, mesmo na ausência de suplementação materna – como mostrado no Estudo 3; os filhotes demonstraram melhorias no aprendizado e na memória por volta das 15-25 semanas de idade, o momento em que a maioria dos novos tutores começará a socializar e treinar seus novos cães (Figura 4).

Coletivamente, esses estudos indicam que a suplementação de DHA propicia a melhora da capacidade de aprendizado relacionada à memória e que esses benefícios podem ser acumulados mesmo na ausência de suplementação materna. A consequência pode ser que melhorias no aprendizado relacionado à memória levem a uma maior capacidade de treinamento para cães.

Regular training is a vital part of a puppy’s upbringing

Figura 4. O treinamento regular é uma parte vital da educação de um filhote, e parece que melhorar a dieta do animal com DHA pode ser benéfico.

Créditos: Shutterstock

Divulgação

 

Todos os procedimentos descritos neste manuscrito foram revisados e aprovados pelo Institutional Animal Care and Use Committee of The Iams Company (Lewisburg, OH, EUA)

Considerações finais

Esses estudos complementam descobertas já feitas anteriormente em cães (e outras espécies) sobre a relação entre DHA e capacidade cognitiva. Essencialmente, a suplementação da mãe com DHA é desejável para o feto canino em desenvolvimento e filhotes jovens, mas o benefício ainda pode ser adquirido pela adição de DHA à dieta oferecida aos filhotes desmamados entre 6 a 25 semanas de idade, e a suplementação pós-desmame na ausência de suplementação materna continua a melhorar o desempenho cognitivo no filhote em crescimento, especificamente os parâmetros relacionados à memória e foco. No entanto, mais estudos são necessários para explorar os efeitos do enriquecimento de DHA na função cognitiva durante períodos posteriores de desenvolvimento e em cães adultos e idosos.

References

  1. Bazan NG, Musto AE, Knott EJ. Endogenous signaling by omega-3 docosahexaenoic acid-derived mediators sustains homeostatic synaptic and circuitry integrity. Mol. Neurobiol. 2011;44:216-222.

  2. Moriguchi T, Greiner RS, Salem N Jr. Behavioral deficits associated with dietary induction of decreased brain docosahexaenoic acid concentration. J. Neurochem. 2000;75:2563-2573.

  3. Stonehouse W, Conlon CA, Podd J, et al. DHA supplementation improved both memory and reaction time in healthy young adults: A randomized, controlled trial. Am. J. Clin. Nutr. 2013;97:1134-1143.

  4. Bauer JE, Heinemann KM, Bigley KE, et al. Maternal diet alpha-linolenic acid during gestation and lactation does not increase docosahexaenoic acid in canine milk. J. Nutr. 2004;134:2035S-2038S.

  5. Simon H, Scatton B, LeMoal M. Dopaminergic A 10 neurons are involved in cognitive functions. Nature 1980;286:150-151.

Russ Kelley

Russ Kelley

Depois de se formar na Auburn University em 1997, Russ Kelley ingressou na Iams Company, onde liderou pesquisas sobre nutrição materna e neonatal Leia mais

Outros artigos nesta edição

Número da edição 32.1 Publicado 10/08/2022

Comportamento materno em cadelas

O comportamento materno não só desempenha um papel importante na sobrevivência dos filhotes durante as primeiras semanas de vida, mas também pode ter um efeito duradouro no desenvolvimento cognitivo desses filhotes. O presente artigo oferece algumas dicas e pistas que podem ajudar o clínico ao lidar com filhotes recém-nascidos.

por

Número da edição 32.1 Publicado 09/08/2022

Consultas bem-sucedidas de filhotes felinos

O êxito das visitas de filhotes felinos à clínica veterinária irá preparar o paciente para uma vida inteira de cuidados veterinários, conforme explica Elizabeth O'Brien.

por Elizabeth O’Brien

Número da edição 32.1 Publicado 09/08/2022

Lidando com o neonato canino doente

Como a “Síndrome do Definhamento do Neonato” é bem reconhecida na clínica veterinária, o presente artigo fornece uma abordagem prática para o problema.

por Sylvie Chastant-Maillard

Número da edição 32.1 Publicado 08/08/2022

Uso de antimicrobianos em filhotes de cães e gatos

Como devemos abordar a problemática escolha de antibiótico em filhotes de cães e de gatos? J. Scott Weese oferece um guia prático para esse cenário muito comum na clínica de pequenos animais.

por J. Scott Weese